31
Jul 11

Quase 67 mil com pensão antecipada

Entre Janeiro e Junho deste ano reformaram-se antecipadamente, ou seja, antes da idade legal dos 65 anos, quase 67 mil portugueses, mais 18 831 do que em igual período do ano passado. E isto apesar das penalizações no valor das pensões, que podem ir de 4,5% a 6%.

 

Segundo as estatísticas da Segurança Social, dos 161 293 aposentados antes do tempo (total acumulado), 66 747 foram para a reforma este ano no quadro do decreto-lei 187/2007, o mais penalizador e que foi desenhado para evitar a fuga de trabalhadores com 55 anos e 30 de descontos para a inactividade. Feitas as contas, são mais 18 831 do que em igual período do ano passado (Janeiro a Junho), ainda que o corte na reforma tenha subido para 6% por cada de trabalho em falta até aos 65 anos.

Os números mostram ainda que 12 363 optaram por esta solução por estarem numa situação de desemprego de longa duração, mais 2976 que no mês homólogo de 2010. Para Eugénio Rosa, economista especialista na área de Segurança Social e Emprego, este aumento "relaciona-se com o número de desempregados a receberem subsídio, que está a diminuir". "As pessoas deixam de ter direito ao subsídio de desemprego, não conseguem arranjar trabalho e, como já têm mais de 55 anos, acabam por ser empurradas para esta via, para manterem algum tipo de rendimento", explica. Para Eugénio Rosa, o efeito prático é claro: "A Segurança Social começa a ter de suportar uma despesa antes daquilo que era suposto, deixa de receber receita dos descontos e isto traduz-se num acréscimo imediato da despesa."

Aliás, segundo o especialista, "a perda para o sistema não é em muitos casos compensada pela redução imposta à pensão". "E se o Governo avançar com a redução da Taxa Social Única [como está previsto no acordo com a troika], isso vai ter implicações ainda mais significativas para a Segurança Social."

BANCA TAMBÉM REDUZ PESSOAL COM ANTECIPAÇÃO

O sector bancário, que está pressionado pela diminuição da rentabilidade da actividade em Portugal, tem cortado nos custos com pessoal e diminuído o número de trabalhadores através do mecanismo das reformas antecipadas. Só o BPI, por exemplo, vai avançar com 260 reformas antecipadas para poupar 12 milhões de euros. Apesar disso, a saída destes funcionários não tem repercussões no sistema, já que a maioria destes trabalhadores descontou para o fundo de pensões da Banca.

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/d

publicado por adm às 21:23 | comentar | favorito
28
Jun 11

Hospital desmente morte cerebral de Angélico

Angélico Vieira não está em morte cerebral. O desmentido foi feito hoje pelo Hospital de Santo António, que adianta que a situação do cantor e actor não sofreu alterações de ontem para hoje. O seu prognóstico mantém-se muito reservado.

Os testes para apurar se existe morte cerebral podem, no entanto, ser feitos ainda hoje.

“Esses testes de morte cerebral serão decididos fazer quando for entendido pelos colegas dos cuidados intensivos. Não sei se já está a ser ponderado ou não. Se houver essa necessidade, durante a tarde sairá essa informação”, garante António Polónia, director do serviço de cuidados intensivos.

“À medida que o tempo passa e a situação não melhora, o prognóstico vai-se tornando cada vez mais reservado e complicado. Não há prazos definidos. Enquanto as funções vitais se mantiverem, vai continuar com o suporte das funções. A informação que tenho é que a situação é exactamente a de ontem”, acrescenta.

Sobre a jovem de 17 anos que também ficou ferida no acidente que vitimou Angélico Vieira, o Hospital de Santo António não divulgou qualquer boletim clínico. Ontem, estava com prognóstico muito reservado.

Nas últimas horas, dezenas de admiradores de Angélico Vieira têm-se juntado à porta do hospital, no Porto, onde o cantor está internado desde sábado.

fonte:http://rr.sapo.pt/i

publicado por adm às 13:32 | comentar | favorito