12
Mai 14

O PS lidera a intenção de voto nas eleições legislativas de 2015 no barómetro da Aximage deste mês de Maio

Os socialistas, de acordo com esta sondagem, recolhem a preferência de 36,2% os inquiridos, enquanto o PSD se fica pelos 30,5%. A terceira força política que obtém maior intenção de voto é a CDU, 10,5%. Seguem-se o CDS/PP e o Bloco de Esquerda (BE), com 6,8% e 6,6%, respectivamente. A abstenção situar-se-ia nos 43,4%.

O barómetro de Maio da Aximage, realizado para o Negócios e para o 'Correio da Manhã', e revela oscilações mínimas face ao de Abril. O PSD desce de 31,5% para 30,5%, enquanto a subida de PS é de apenas uma décima, de 36,1% em Abril para 36,2% em Maio. A variação mais acentuada na intenção voto regista-se na CDU que desce de 11,8% para 10,5%. Em sentido inverso, o CDS/PP sobe de 6,1% para 6,8% e o BE de 6,4% para 6,6%. A taxa de abstenção manteve-se inalterada.

Comparando os resultados obtidos em Maio de 2013 neste barómetro com os registados em Maio deste ano, constata-se que tanto o PS como PSD estão melhores. Em Maio do ano passado a intenção de voto nos sociais-democratas fixava-se em 26,2% e dos socialistas estava situada nos 33,5%.

Governação pior do que se esperava

Pedro Passos Coelho está a governar pior do que se esperava. Esta é a opinião expressa por 58,5% dos inquiridos na sondagem Aximage – barómetro eleitoral de Maio de 2014. Já 32,5% são de opinião que a governação do primeiro-ministro é igual ao que se esperava, enquanto para 8,8% está melhor do que se esperava.

 

Jerónimo de Sousa é o melhor líder

Jerónimo de Sousa é o líder partidário com melhor avaliação nesta sondagem. O secretário-geral do PCP é classificado como 11,3 valores numa escala de 0 a 20. Além de Jerónimo de Sousa, só a dupla Catarina Martins/João Semedo, líderes do Bloco de Esquerda, conseguem também uma avaliação positiva, com uma nota de 10,2.

Os restantes líderes têm todos nota negativa no barómetro da Aximage de Maio de 2014: António José Seguro (PS), 8,6, Paulo Portas (CDS/PP) 7,5, e Pedro Passos Coelho (PSD) 6,0.

Ao nível da confiança para primeiro-ministro, 37,8% inclinam-se a favor de António José Seguro, enquanto 33,7% preferem Pedro Passos Coelho. Já 27,8 não tem confiança em nenhum dos dois. 

Só Assunção Cristas escapa à negativa

Na avaliação à actuação mensal de cada ministro, apenas a ministra da Agricultura escapa de uma nota negativa. Numa apreciação de 0 a 20, Assunção Cristas tem uma nota de 10,6. O segundo melhor ministro, já com uma nota negativa de 8,9 é Moreira da Silva que lidera a pasta do Ambiente.

Os três ministros com piores notas são Miguel Poiares Maduro (ministro Adjunto), 6,9, Pedro Mota Soares (ministro da Solidariedade) 6,7 e Nuno Crato (ministro da Educação) está no fim da lista com 6,2.

Cavaco Silva está mal

 

 

Na opinião de 56,5% dos inquiridos no barómetro mensal da Aximagem, Cavaco Silva tem actuado mal nos últimos 30 dias. Em contrapartida, 31,3% considera que o Presidente da República tem actuado bem e 8,2% avaliam o desempenho do chefe de Estado como asssim-assim. De 0 a 20, Cavaco Silva obtém neste mês de Maio uma nota negativa de 7,6.

FICHA TÉCNICA

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.

Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 605 entrevistas efectivas: 257 a homens e 348 a mulheres; 123 no interior, 262 no litoral norte e 220 no litoral centro sul; 148 em aldeias, 212 em vilas e 245 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.

Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 2 a 5 de Maio de 2014, com uma taxa de resposta de 81,9%.

Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 605 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma “margem de erro” - a 95% - de 4,00%).

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.
fonte:http://www.sabado.pt/
publicado por adm às 20:47 | comentar | favorito
25
Jan 14

Sondagem Aximage: Coligação PSD-CDS à frente do PS nas Europeias

A diferença entre os partidos que apoiam o Governo em relação ao PS é muito pequena, pelo que, dada a abstenção elevada, não é possível distinguir um claro vencedor.

A sondagem da Aximage para o Correio da Manhã e Negócios revela que a coligação PSD/CDS – que está actualmente no Governo e que já revelou que vai candidatar-se em conjunto às Eleições Europeias - recolhe 37,1% das intenções de voto nas eleições que decorrerão em Maio. O Partido Socialista (PS) surge em segundo lugar, com 35,5% das intenções de voto e, em terceiro e quarto lugar, surge a Coligação Democrática Unitária (CDU) e o Bloco de Esquerda, com 9,2% e 6,9%, respectivamente.

 

A abstenção, de acordo com esta sondagem, ascende aos 60,8%. Uma vez que a coligação entre o PSD/CDS obtém, nesta sondagem, um valor muito próximo do PS não é possível distinguir com quem vencerá o escrutínio.

 

“Dado o nível muito elevado de abstenção, os intervalos de confiança das percentagens de intenção de voto nos partidos são consideravelmente mais amplos do que é habitual (…) as intenções de voto no PS e na coligação PSD/CDS não se distinguem, podendo actualmente tanto estar a coligação PSD/CDS à frente, como atrás do PS”, refere a Aximage.

 

Face aos resultados das últimas eleições europeias, que se realizaram em 2009, a abstenção está, nesta sondagem, ligeiramente abaixo do registado na época. Em 2009, a abstenção foi de 62,5%.

 

Nas últimas eleições, o PSD e CDS, no total, conseguiram 40,1%. Na época, os dois partidos candidataram-se em separado. Em 2009, o PS, que estava no Governo, obteve 26,6% dos votos. A CDU e o Bloco de Esquerda obtiveram, cada partido, 10,7% dos votos.

 

Este ano, as eleições europeias têm lugar a 25 de Maio.

 

FICHA TÉCNICA 

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.

 

Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 601 entrevistas efectivas: 279 a homens e 322 a mulheres; 137 no interior, 251 no litoral norte e 213 no litoral centro sul; 157 em aldeias, 205 em vilas e 239 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.

 

Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 7 a 10 de Janeiro de 2014, com uma taxa de resposta de 80,1%.

 

Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 601 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma “margem de erro” - a 95% - de 4,00%).

 

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.

 

 

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/e

publicado por adm às 18:31 | comentar | favorito
02
Jan 14

Portugueses estão mais satisfeitos com Passos do que há um ano

O primeiro-ministro tem agora uma nota bem melhor do que em Dezembro de 2012 no barómetro Aximage.

Nos últimos 12 meses, Portugal passou por um "enorme aumento de impostos", por uma crise no Governo e por chumbos do Tribunal Constitucional. Em Setembro, o PSD foi penalizado nas eleições autárquicas com uma pesada derrota eleitoral. Razões que poderiam justificar que a avaliação que os portugueses fazem de Passos Coelho fosse, agora, pior que a de há um ano. A verdade é que o primeiro-ministro tem agora uma nota bem melhor do que em Dezembro de 2012 no barómetro Aximage

 

Uma leitura atenta da evolução da avaliação do primeiro-ministro permite até perceber que a principal razão que ditou a subida de Passos Coelho foi, precisamente, a crise política de Julho, e que coincide com uma queda a pique de Paulo Portas. A primeira metade de 2013 não foi nada positiva para o chefe do Governo: a nota de 4,9 de Dezembro de 2012 caiu para 3,9 (numa escala de 0 a 20) em Junho deste ano.

 

Em Julho, a crise no Governo provocada pelas saída efectiva de Vítor Gaspar e pelo pedido de demissão de Paulo Portas poderia ter afundado ainda mais a nota do primeiro-ministro, mas não foi isso que aconteceu. Nesse mês, Passos subiu quase dois pontos, para 5,5. Recorde-se que o líder do PSD recusou aceitar a demissão de Paulo Portas, forçando uma negociação que culminou com a promoção deste último a vice-primeiro-ministro.

 

Curiosamente, em Setembro, mês de autárquicas, Passos Coelho registou a melhor nota do último ano - 6,1. No dia 29, o PSD, partido a que preside, foi vergado a uma pesada derrota eleitoral. Logo no mês seguinte, o primeiro-ministro voltou a ver a sua avaliação piorar para 5,3, o que se pode explicar pela apresentação do Orçamento do Estado. Apesar disso, em Novembro e Dezembro, a nota voltou a subir, para se fixar em seis valores.

Jerónimo recolhe preferências

 

O líder partidário que os portugueses mais apreciam não é Passos Coelho nem sequer António José Seguro. Nos últimos 12 meses, esse título esteve sempre nas mãos de Jerónimo de Sousa, que também viu a sua nota evoluir favoravelmente entre Dezembro de 2012 (10,8) e de 2013 (11,3). Já o líder do Partido Socialista está agora pior: passou de 9,1 para 8,4. 

 

 

FICHA TÉCNICA

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.

Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) - e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica.

 

A amostra teve 609 entrevistas efectivas: 283 a homens e 326 a mulheres; 139 no interior, 261 no litoral norte e 209 no litoral centro sul; 161 em aldeias, 213 em vilas e 235 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.

 

Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido dias 6 a 9 de Dezembro de 2013, com uma taxa de resposta de 78,8%. Para o total de uma amostra aleatória simples com 609 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma "margem de erro" - a 95% - de 4,00%).

 

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.

 

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/e

publicado por adm às 21:12 | comentar | favorito
22
Dez 13

Sondagem: Marcelo e António Costa são os melhores candidatos para as presidenciais

O comentador político surge com uma vantagem de mais de 10 pontos sobre Rui Rio na preferência dos portugueses para o candidato da direita às eleições presidenciais de 2016.

Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa são os candidatos preferidos dos portugueses para representarem a direita e a esquerda, respectivamente, nas próximas eleições presidenciais, de acordo com os resultados de uma sondagem conduzida pela Aximage para o Correio da Manhã e o Negócios.

 

Quando questionados sobre qual seria o melhor candidato da esquerda para as eleições de 2016, 43,8% respondeu António Costa. Em segundo lugar surge António Guterres (27,3%) e bem mais longe Maria de belém (10,4%), Carvalho da Silva (6,3%) e Sampaio da Nóvoa (3,1%).

 

Na resposta à mesma questão, mas sobre o melhor candidato da direita, o equilíbrio foi maior, mas ainda assim claro. Marcelo Rebelo de Sousa recolheu a preferência de 44,2% dos inquiridos, com uma distância de mais de 10 pontos percentuais para Rui Rio (32,3%). Em terceiro lugar surge Durão Barroso (8,2%), à frente de Leonor Beleza (4,3%) e Santana Lopes (4,2%).  

 

 

FICHA TÉCNICA

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.

 

Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 609 entrevistas efectivas: 283 a homens e 326 a mulheres; 139 no interior, 261 no litoral norte e 209 no litoral centro sul; 161 em aldeias, 213 em vilas e 235 em cidades.                      A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.

 

Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 6 a 9 de Dezembro de 2013, com uma taxa de resposta de 78,8%.

 

Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 609 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma “margem de erro” - a 95% - de 4,00%).

 

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.

 

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/ec

publicado por adm às 21:46 | comentar | favorito
08
Nov 13

Sondagem: PS alarga vantagem sobre PSD para 7,7 pontos

O PS foi o único partido a subir nas intenções de voto em Novembro, segundo a sondagem da Eurosondagem para o Expresso e SIC, alargando a vantagem sobre o PSD para 7,7 pontos percentuais. Os socialistas recolhem a preferência de 37,3% dos inquiridos, enquanto os sociais-democratas somam 25,6%.


De acordo com o estudo, o PS sobe oito décimas face a Outubro, ao passo que o PSD cai 1,3 pontos.

A CDU surge na terceira posição, com 11,1%, menos um ponto do que um mês antes.

Seguem-se o CDS-PP, com 8,4%, uma queda de duas décimas, e o Bloco de Esquerda, que mantém os 5,9% obtidos no mês passado.

O secretário-geral socialista, António José Seguro, reforça a liderança na popularidade entre os líderes políticos, apresentando um saldo positivo de 19,6 pontos, uma subida de 1,3.

O presidente do CDS-PP e vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, regista um saldo positivo de oito pontos, uma queda de 1,9 face a Outubro. 

Seguem-se o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, com 5,9 pontos (-1,7), os coordenadores do BE, Catarina Martins e João Semedo, com -4,5 pontos (-1,2) e o presidente do PSD e primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, com um saldo negativo de 15,4 pontos (-1,5).

O Presidente da Repúlica, Aníbal Cavaco Silva, obtém um saldo positivo de 3,6 pontos, uma subida de dois pontos.

FICHA TÉCNICA:

Estudo de opinião efetuado pela Eurosondagem, S.A. para o Expresso e SIC, de 30 de outubro a 5 de novembro de 2013. Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por região (Norte – 19,9%; A.M. do Porto – 13,2%; Centro - 30,1%; A.M. de Lisboa – 27,2%; Sul – 9,6%), num total de 1005 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1180 tentativas de entrevistas e, destas, 175 (14,8%) não aceitaram colaborar neste estudo de opinião. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo, e desta forma resultou, em termos de sexo: feminino – 50,7%; masculino – 49,3% e, no que concerne à faixa etária, dos 18 aos 30 anos – 16,8%; dos 31 aos 59 – 52,2%; com 60 anos ou mais – 31,0%. O erro máximo da amostra é de 3,09%, para um grau de probabilidade de 95,0%. Um exemplar deste estudo de opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

 

fonte:http://diariodigital.sapo.pt/n

publicado por adm às 21:49 | comentar | favorito
29
Set 13

PS venceria com 34,5% se legislativas fossem hoje

Se os portugueses votassem hoje nas eleições legislativas, o PS ganharia com 34,5% dos votos e o PSD recolheria 30,2% dos votos dos eleitores, revela uma sondagem Aximage para o Correio da Manhã e a CMTV.

A sondagem revela ainda que a CDU ficaria em terceiro lugar se as eleições se realizassem agora, com 10,4% dos votos, seguida de perto pelo CDS-PP, que recolhe 10,3% das intenções de voto, contra 5,6% do Bloco de Esquerda.

A sondagem foi realizada entre 26 e 28 de setembro com 609 entrevistas telefónicas validadas, entre as quais 287 homens e 322 mulheres. A taxa de resposta foi de 82,6% e a margem de erro máxima é de 4%.

A sondagem foi divulgada hoje pela Correio da Manhã TV, num dia em que se realizam as eleições autárquicas

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 19:46 | comentar | favorito
09
Set 13

Seguro continua a liderar sondagens, mas Passos está em recuperação

António José Seguro e o PS continuam a liderar nas intenções de voto dos portugueses. Mas apesar dos eleitores continuarem a confiar mais no líder do PS para liderar o país, a sondagem da Aximage para o Correio da Manhã revela que o primeiro-ministro tem vindo a recuperar terreno.

Questionados sobre “em quem é que tem maior confiança para primeiro-ministro”, 34% dos inquiridos escolheu António José Seguro mas este valor tem estado numa clara queda, depois de em junho a percentagem ser de 42,2%.

Já o primeiro-ministro obteve 32,7% dos votos, uma melhoria de quase 10% em relação a junho, quando registou apenas 24%.

Em relação às intenções de votos nas legislativas, o PS continua a liderar com 35,3%, tendo caído dos 37,4% registados em julho. O PSD vem em segundo lugar com 28% das intenções de voto.

A CDU consegue a terceira melhor classificação com 11,8% das intenções de voto, uma subida de 1,3% face a julho. O CDS consegue o quarto lugar, com uma subida de quase 2% no espaço de dois meses, passando para os 7,6%. Por último, surge o Bloco de Esquerda com 6,6%, tendo assinalado uma queda de 10 pontos percentuais.

Em relação à imagem dos líderes partidários, Jerónimo de Sousa foi o único que obteve uma nota positiva, tendo obtido 10,2 pontos numa escala de 0 a 20, seguido dos coordenadores do Bloco de Esquerda com 9,5 pontos.

António José Seguro obteve 8,5 pontos seguido de Pedro Passos Coelho com 6,1 pontos, surgindo Paulo Portas em último com 5,3 pontos.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/E

publicado por adm às 23:25 | comentar | favorito
31
Ago 13

Sondagem Expresso: PSD-36,4%; Coligação - 28,8%, CDS - 24,8%, CDU - 6,9%

A sondagem revelada ao início desta noite pelo Expresso mostra uma luta renhida para a Câmara do Funchal. O estudo, feito pela Eurosondagem para o Expresso e a SIC, mostra que se as eleições fossem hoje o PSD continuava a ganhar a Câmara mas com uma significativa quebra eleitoral. E mostra também que a coligação liderada pelo independente Paulo Cafôfo ficaria em segundo lugar, à frente da candidatura do CDS. 

Na prática, de acordo com os números acabados de revelar, Bruno Pereira ganharia a Câmara com 36,4%, Paulo Cafôfo chegaria aos 28,8% e José Manuel Rodrigues teria cerca de 24,8%. Finalmente, a CDU teria 6,9% dos votos.

Transpondo estas percentagens para a distribuição dos onze mandatos em disputa, temos que Bruno Pereira teria 4 a 5 mandatos, Paulo Cafôfo elegeria 3 a 4 vereadores, José Manuel Rodrigues 3 e Artur Andrade entre 0 a 1 mandato.

A sondagem do Expresso foi feita nos dias 26 e 27 de Agosto, a um mês das eleições por entrevistas telefónicas a habitantes do Funchal com 18 ou mais anos. De acordo com a ficha técnica, foram efectuadas 633 tentativas de entrevistas e dessas 123 não aceitaram responder. A Eurosondagem aponta uma percentagem de 4,33% como margem de erro.

 

fonte:http://www.dnoticias.pt/

publicado por adm às 13:27 | comentar | favorito
03
Ago 13

Sondagens dão maioria relativa ao PS e resultados díspares ao PSD

Estudo da Católica dá 32% aos sociais-democratas, que no inquérito da Eurosondagem se ficam por 24,4%. CDS penalizado pela crise política.

Se as eleições legislativas se realizassem agora, o PS ganharia com maioria relativa, mostram duas sondagens publicadas nesta sexta-feira. A grande diferença aparece nas intenções de voto no PSD: na sondagem da Universidade Católica para a RTP/JN/DN os sociais-democratas surgem com 32% (menos três pontos percentuais do que o PS), enquanto no estudo da Eurosondagem para a SIC/Expresso o partido de Passos Coelho só reúne 24,4% das intenções de voto, bem longe dos 37,4 atribuídos aos socialistas.

Segundo a sondagem divulgada pelo Expresso e SIC, o PSD (24,4 %) registou uma descida nas intenções de voto, contrastando com a subida, ainda que ligeira, do PS (37,4 %). A CDU também subiu (para 12,5%). Estes valores verificam-se depois da crise política e consequente reformulação do Governo.

O CDS sofreu uma pequena queda (7,7%), mas segue à frente do Bloco de Esquerda (7,5%).

O PS encontra-se assim com um resultado superior relativamente ao obtido nas eleições legislativas de 2011 (mais 10 pontos percentuais), enquanto o PSD está com 14 pontos a menos em comparação com o mesmo período.

Porém, a sondagem elaborada pela Universidade Católica para a RTP/Antena 1/JN/DN demonstra que o PSD subiu em relação a Março. Os sociais-democratas aparecem agora com 32%, a três pontos percentuais do PS (35%). Já o CDS volta a cair nas intenções de voto, contando apenas com 3% (quando antes tinha 5%). A esquerda também desceu, com a CDU a passar de 12 para 11%, assim como o BE que desceu um ponto percentual, caindo de 8 para 7%.

O estudo da Universidade Católica demonstra ainda que quase todas as principais figuras políticas, com excepção do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho (manteve-se nos 6,3), tiveram uma queda no índice de popularidade, que permanece negativo para todos (numa escala de zero a 20). O compromisso de salvação nacional que Cavaco Silva impulsionou falhou e isso reflectiu-se no seu índice de popularidade, que passou de 8,1 para 7,7. António José Seguro e Paulo Portas também foram penalizados, passando de 7,7 para 7,5 e 7,5 para 5,9, respectivamente. Aliás, este novo resultado demonstra que Paulo Portas, recém empossado vice-primeiro-ministro, é a figura política de relevo mais impopular de Portugal na actualidade. 

Ficha técnica da sondagem Expresso/SIC
Estudo de opinião efetuado pela Eurosondagem, SA para o Expresso e SIC, de 25 a 31 de julho de 2013. Entrevistas telefónicas realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal continental e habitando em lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por região: norte (20,1%); A.M. do Porto (14,5%), centro (29,7%), A.M. de Lisboa (25,9%) e sul (9,8%), num total de 1020 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1221 tentativas de entrevistas e, destas, 201 (16,5%) não aceitaram colaborar no estudo de opinião. Foram validadas 1020 entrevistas. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e entrevistado em cada agregado familiar o elemento que fez anos há menos tempo. Desta forma aleatória resultou, em termos de sexo, feminino (52,4%) e masculino (47,6%); e no que concerne à faixa etária, dos 18 aos 30 anos (17,6%), dos 31 aos 59 anos (50.9%) e com 60 anos ou mais (31,5%). O erro máximo da amostra é de 3,07%, para um grau de probabilidade de 95%. Um exemplar deste estudo de opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

Ficha técnica da sondagem RTP/Antena 1/JN/DN
Esta sondagem foi realizada pelo Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade Católica Portuguesa (CESOP) para a Antena 1, a RTP, o Jornal de Notícias e o Diário de Notícias nos dias 27, 28 e 29 de julho de 2013. O universo alvo é composto pelos indivíduos com 18 ou mais anos recenseados eleitoralmente e residentes em Portugal Continental. Foram selecionadas aleatoriamente dezanove freguesias do país, tendo em conta a distribuição da população recenseada eleitoralmente por regiões NUT II e por freguesias com mais e menos de 3200 recenseados. A seleção aleatória das freguesias foi sistematicamente repetida até os resultados eleitorais das eleições legislativas de 2009 e 2011 nesse conjunto de freguesias, ponderado o número de inquéritos a realizar em cada uma, estivessem a menos de 1% dos resultados nacionais dos cinco maiores partidos. Os domicílios em cada freguesia foram selecionados por caminho aleatório e foi inquirido em cada domicílio o mais recente aniversariante recenseado eleitoralmente na freguesia. Foram obtidos 1096 inquéritos válidos, sendo que 58% dos inquiridos eram do sexo feminino, 23% da região Norte, 17% do Centro, 47% de Lisboa, 7% do Alentejo e 6% do Algarve. Todos os resultados obtidos foram depois ponderados de acordo com a distribuição de eleitores residentes no Continente por sexo, escalões etários, região e habitat na base dos dados do recenseamento eleitoral e do Censos 2011. A taxa de resposta foi de 55%*. A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 1096 inquiridos é de 3%, com um nível de confiança de 95%.

 

fonte:http://www.publico.pt


publicado por adm às 23:11 | comentar | favorito
02
Ago 13

Sondagem aponta Paulo Portas responsável pela crise política

Paulo Portas é visto pelos inquiridos como o principal responsável pela recente crise política. É isso que pensam 34% dos inquiridos. Logo a seguir, 20% dos inquiridos dizem que o principal responsável foi Pedro Passos Coelho. Cavaco Silva e responsabilizado por 11% dos inquiridos.


O governo é o mais penalizado. 39% dizem que não têm confiança nenhuma no executivo. A instiuição que inspira mais confiança é a Presidência da República com 35% a dizerem ter alguma confiança e 7% muita confiança. Sondagem realizada pelo centro de estudos e sondagens de opinião da Universidade Católica para a Antena1, RTP, Diário de Notícias e Jornal de Notícias. A sondagem foi efetuada já depois da remodelação do governo.

 

Ficha técnica

Este barómetro foi elaborado pela Universidade Católica nos passados dias 27, 28 e 29. O universo alvo é composto por indivíduos maiores de idade e recenseados e que vivem em Portugal Continental. A Taxa de resposta foi de 55%, a margem de erro desta sondagem cuja amostra aleatória foi de 1096 inquiridos é de 3%, com um nível de confiança de 95%.
Durante a crise política quem esteve pior foi outra vez Paulo Portas, 42% dos inquiridos consideram que esteve muito. Outro fator em destaque neste barómetro é a grande desconfiança que os inquiridos manifestam nas insitituições políticas.

 

fonte:http://www.rtp.pt/n

publicado por adm às 22:42 | comentar | favorito