Redução do défice continua a ser feita à custa do aumento de impostos

A redução do défice continua a ser feita à custa do aumento da receita fiscal. Segundo o relatório da execução orçamental de Janeiro, divulgado esta terça-feira, o saldo provisório das administrações públicas relevante para efeitos do programa de ajustamento foi de 640 milhões de euros - mais 509 milhões do que há um ano.

O primeiro mês de cobrança de impostos de 2014 foi o segundo melhor da última década e rendeu aos cofres do Estado 2.950 milhões de euros, mais 10% do que em Janeiro de 2013.

Entre os contribuintes, destaque para o IRS, cuja receita cresceu quase 25%. Quanto ao IVA, cresceu mais 4%.

A despesa do Estado caiu 3,8% em relação a Janeiro do ano passado, explicada pela evolução das transferências e outras despesas correntes, já que a despesa com pessoal ainda continua crescer, embora a um ritmo mais lento. As remunerações certas e permanentes reduziram-se em mais de 7% no último ano.

A Segurança Social apresenta agora um saldo de 135 milhões de euros. Mantém-se positivo, mas com menos 350 milhões em caixa, porque o crescimento das despesas com prestações sociais, nomeadamente pensões, continua a ser superior ao das receitas.

A administração local apresenta um saldo positivo de 88 milhões de euros e a regional 13 milhões: bem menos do que os 100 milhões que havia em caixa há um ano.

fonte:http://rr.sapo.pt/inf

publicado por adm às 20:52 | comentar | favorito