Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Noticias do momento

Noticias do momento

10
Abr14

Medicamento à venda nas farmácias pode ser perigoso

adm

Portugal, em conjunto com outros países da Europa, está a acompanhar o caso de possíveis reações adversas a um medicamento para a esquizofrenia, mas o mesmo continua à venda.

O medicamento em causa, Xeplion, pode ter causado até 17 mortes no Japão desde novembro do ano passado, informou esta quinta-feira a unidade japonesa da farmacêutica internacional Janssen Pharmaceuticals.

Contactada pela agência Lusa a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed) disse ter sido notificada de uma reação adversa ocorrida em Portugal com a substância ativa, em 2013, durante um ensaio clínico (manifestada através do agravamento da doença).

"O Infarmed e as restantes agências europeias encontram-se, em articulação com a EMA (Agência Europeia do Medicamento), a acompanhar este caso, mas ainda não temos informação adicional a transmitir".

O medicamento, segundo dados do Infarmed, foi aprovado pela Comissão Europeia a 4 de março de 2011 e está a ser comercializado em Portugal desde 1 de fevereiro deste ano, em dosagens de 75, 100 e 150 miligramas.

A Janssen Pharmaceuticals, uma filial do grupo norte-americano Johnson and Johnson, aconselhou os médicos japoneses a usarem o medicamento com muita prudência, apesar de não estar comprovada a ligação do Xeplion às mortes.

Segundo as estimativas da unidade japonesa da Janssen Pharmaceuticals, o medicamento terá sido usado por cerca 10.700 pessoas desde o seu lançamento no mercado nipónico a 19 de novembro do ano passado.

As causas das 17 mortes registadas incluem ataque cardíaco, embolia pulmonar e asfixia por inalação de vómito.

Em muitos destes casos, os óbitos verificaram-se cerca de 40 dias após terem sido administradas injeções do medicamento.

Numa nota informativa divulgada na página online da unidade nipónica da Janssen Pharmaceuticals, a farmacêutica indica que a "substância pode permanecer no organismo até pelo menos quatro meses após ter sido administrada", aconselhando os médicos a ficarem atentos a qualquer efeito colateral.

 

fonte:http://www.jn.pt/P

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D