EDP corta luz a 285 mil famílias

A EDP cortou a luz a 285 mil famílias no ano passado. Os números da elétrica liderada por António Mexia revelam que o abastecimento de eletricidade foi cortado por falta de pagamento. Fonte da EDP ressalva que o processo de corte por incumprimento do pagamento é uma opção "de último recurso", que ocorre apenas após um pré-aviso de semanas, e que, "na esmagadora maioria dos casos", é seguido de uma operação para repor a luz. A empresa não divulga o montante de pagamentos em dívida pelos clientes. Revela apenas que, entre setembro de 2012 e o mesmo mês do ano passado, os clientes residenciais aumentaram em 15% a dívida corrente, enquanto os clientes empresariais registaram uma "redução significativa" dessas dívidas. Com cinco em cada cem clientes da EDP a não terem dinheiro para a conta da luz, o pagamento faseado de dívidas dos portugueses à elétrica aumentou 25 por cento em 2013, atingindo um total de 100 mil acordos. "A EDP tem procurado dar uma atenção permanente a todos e a cada um dos casos que se lhe colocam, tendo abertura para negociação das dívidas através da adoção de acordos de pagamentos faseados" afirmou a mesma fonte. Portugal tem o quarto preço da eletricidade mais elevado na Europa, acima de Espanha, Reino Unido e França. A EDP registou lucros de 1005 milhões de euros em 2013. Só 60 mil com tarifa social O número de clientes residenciais da EDP com direito à tarifa social, que oferece descontos aos mais carenciados, baixou em 10 mil no ano passado, totalizando 60 mil, segundo revelou a empresa. Em setembro de 2012, cerca de 70 mil clientes da EDP beneficiavam da tarifa social e, um ano depois, em setembro do ano passado, a empresa registava 60 mil. A mudança de fornecedor de eletricidade ou o não preenchimento dos requisitos exigidos aos beneficiários da tarifa social podem estar na origem desta quebra. Só têm direito a esta tarifa os clientes de eletricidade que se encontrem numa situação de carência socioeconómica, comprovada pelo sistema de Segurança Social e o Governo quer estender este apoio a 500 mil famílias.

fonte: http://www.cmjornal.xl.pt/n 

publicado por adm às 21:10 | comentar | favorito