25
Mar 14

Eduardo Lourenço na lista do PS às europeias

O ensaísta Eduardo Lourenço, um independente, surge no 21.º lugar - o último efectivo - da lista do PS às eleições para o Parlamento Europeu, aprovada esta terça-feira à noite, por unanimidade, pela comissão política nacional, que esteve reunida durante cerca de uma hora na sede do partido, no Largo do Rato, em Lisboa.

Maria João Rodrigues surge em 2.º lugar na lista liderada por Francisco Assis. Ministra do Emprego de António Guerres, trabalha com instituições europeias desde 2000.

Eduardo Lourenço participou nas últimas jornadas parlamentares do PS, na Nazaré, nas quais lamentou que o PS não tivesse apresentado Francisco Assis mais cedo como cabeça de lista às europeias.

Edite Estrela e Capoulas Santos deixam Bruxelas
Os actuais eurodeputados Edite Estrela, Capoulas Santos e Vital Moreira não fazem parte da lista do PS às eleições europeias de 25 de Maio, conhecida esta terça-feira. 

Quem continua é Elisa Ferreira e Ana Gomes, que surgem no quarto e sexto lugar, respectivamente, de acordo com a lista apresentada à comissão política nacional, na sede do PS, no Largo do Rato, em Lisboa.

Entre as novidades na corrida ao Parlamento Europeu por parte do PS destaque para Carlos Zorrinho, o ex-líder parlamentar, que aparece em terceiro lugar na lista, e para o ex-ministro Pedro Silva Pereira.

O PS concorre às eleições para o Parlamento Europeu com uma lista com o mesmo número de mulheres e homens, pela "primeira vez na história da democracia portuguesa", disse fonte da direcção do PS à Renascença.

Lista completa do PS às europeias
1 - Francisco Assis
2 - Maria João Rodrigues
3 - Carlos Zorrinho
4 - Elisa Ferreira
5 - Ricardo Serrão Santos
6 - Ana Gomes
7- Pedro Silva Pereira
8 - Liliana Rodrigues
9 - Manuel dos Santos
10 - Maria Amélia Antunes
11- Fernando Moniz
12 - Isabel Coutinho
13 - José Junqueiro
14 - Célia Afra
15 - Diogo Leão
16 - Maria da Luz Lopes
17 - Henrique Ferreira
18 - Maria de Fátima Carvalho
19 - Júlio Barroso
20 - Maria João Baptista
21 - Eduardo Lourenço

Suplentes 
22 - Ana Venâncio
23 - Fernando Cabodeira
24 - Rita Mendes
25 - Adérito Pires
26 - Renata Veríssimo
27 - Miguel Rasquinho
28 - Catarina Castanheira
29 - Carlos Granadas

 

fonte:http://rr.sapo.pt/i

publicado por adm às 22:17 | comentar | favorito
24
Mar 14

Anacom dá 'luz verde' à subida de preços nos CTT

A Autoridade Nacional de Comunicações dá 'luz verde' aos novos preços dos CTT nos serviços postais reservados.

A ANACOM - Autoridade Nacional de Comunicações deu hoje 'luz verde' aos novos preços dos CTT aplicados aos serviços postais reservados.

A deliberação da ANACOM foi hoje divulgada através do portal da Internet deste regulador, que diz "não se opor à entrada em vigor, a partir de 1 de Abril, da proposta de preços e descontos apresentada pelos CTT - Correios de Portugal (CTT) para os serviços reservados".

A ANACOM refere ainda que "os CTT devem promover uma adequada acção de divulgação dos novos preços, com uma antecedência mínima de cinco dias úteis sobre a respectiva data de entrada em vigor, através dos meios adequados à informação dos utilizadores e dos segmentos de mercado".

Os novos preços, que terão uma variação média de 0,4%, aplicam-se na notificação via postal simples e na notificação/citação via postal, que segundo fonte oficial dos CTT se relacionam com as notificações enviadas pela Justiça.

 fonte:http://economico.sapo.pt/no

publicado por adm às 21:06 | comentar | favorito

Um em cada dez sem dinheiro para renda ou refeição com carne

Aumentou o número de portugueses que não conseguem pagar a renda ou uma refeição com carne ou peixe. De acordo com os números divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), de 2012 para 2013, a percentagem daqueles que vivem em privação severa subiu 2,3 pontos percentuais (p.p.).

Segundo o Inquérito às Condições de Vida e Rendimento do INE, em 2013, encontravam-se nesta situação 10,9% dos portugueses (8,6% em 2012).

Entende-se por alguém em privação severa quem não conseguir cumprir quatro itens de uma lista de nove, relacionados com necessidades económicas e bens duráveis, entre as quais: pagar a renda, empréstimos ou despesas correntes, comer uma refeição de carne e peixe de dois em dois dias, ter carro, televisão ou máquina de lavar roupa, conseguir pagar uma despesa inesperada.

Se as contas forem feitas a apenas três itens não cumpridos passa a 25,5% os portugueses que, em 2013, vivia em privação material, um aumento de quase 3,7 p.p. em relação a 2012.

Ainda segundo este inquérito do INE, quase 19% dos portugueses estavam em risco de pobreza em 2012.

fonte:http://rr.sapo.pt/i

publicado por adm às 20:36 | comentar | favorito
23
Mar 14

Máquina fotográfica que foi à lua vendida por 660 mil euros

A Hasselblad foi vendida 725% acima da base de licitação num leilão organizado pela galeria austríaca WestLicht.

A WestLicht, galeria austríaca especializada no universo da fotografia, leiloou por 660 mil euros uma máquina fotográfica Hasselblad, a única no mundo que tirou fotografias na lua durante uma das missões norte-americanas.

A máquina fotográfica foi usada pelo astronauta norte-americano Jim Irwin (1930-1991) na missão Apollo 15, em 1971, e tinha um preço base no leilão de 80 mil euros. A máquina tirou um total de 299 fotografias da superfície da lua durante essa missão.

Segundo informou a galeria em comunicado, o comprador da máquina é o empresário japonês Terukazu Fujisawa, fundador da cadeia de eletrodomésticos Yodobashi Camera. A máquina será agora exposta no seu museu privado.

De acordo com o mesmo comunicado, o elevado preço pago por esta Hasselblad "demonstra o incessante fascínio com a chegada à lua". "Creio que a máquina recebeu o preço [adequado] se se tiver em conta a história. Nenhum outro aparelho esteve na lua e voltou", sublinhou ainda Peter Coeln, director da galeria.

fonte:http://economico.sapo.pt/no

publicado por adm às 20:49 | comentar | favorito

Benfica vence Académica e mantém Sporting à distância na I Liga

O Benfica, líder da I Liga de futebol, derrotou hoje em casa a Académica, por 3-0, e manteve a vantagem de sete pontos sobre o Sporting, segundo classificado, à passagem da 24.ª jornada.

No Estádio da Luz, em Lisboa, a três dias da visita ao FC Porto na primeira mão da meia-final da Taça de Portugal, o Benfica alcançou a sétima vitória seguida no campeonato, com um "bis" do brasileiro Lima (11 e 28 minutos) - melhor marcador dos "encarnados" com 11 golos - e um golo do argentino Enzo Pérez (59).

A equipa de Jorge Jesus soma agora 61 pontos, contra 54 do Sporting, que na véspera venceu no terreno do Marítimo (3-1), enquanto o FC Porto segue em terceiro, com 46, mas joga ainda hoje com o Belenenses. A Académica, que vinha de cinco jogos sem perder, mantém o 10.º posto, com 29 pontos.

fonte:http://www.destak.pt/

publicado por adm às 20:47 | comentar | favorito
22
Mar 14

Mais de 6.500 serviços públicos fecharam desde 2000

Norte e interior foram regiões com maior incidência. Maioria são escolas e há mais de 400 estações de correios fechadas.

Mais de 6.500 serviços públicos encerraram desde 2000, sobretudo no norte e interior de Portugal Continental, e mais de 150 devem encerrar proximamente, de acordo com um levantamento feito pela agência Lusa junto de entidades oficiais locais.

Segundo este levantamento, feito principalmente junto das Câmaras Municipais, foi possível verificar o encerramento de 6.562 organismos e serviços públicos, entre os quais 4.492 escolas, 249 extensões de saúde e 411 estações de correios, além da diminuição de 1.168 juntas de freguesia e do fim dos 18 governos civis.

Viseu, com 707, Santarém (535), Porto (514) e Aveiro (492) são os distritos onde mais serviços foram encerrados, seguidos de Viana do Castelo (460), Braga (452), Vila Real (439), Coimbra (435) e Bragança (420).

As escolas foram os serviços que mais encerraram, um fenómeno que foi acentuado entre 2005 e 2011, e Viseu, com 555 escolas encerradas, foi o distrito onde mais estabelecimentos fecharam, seguido de Santarém (413), de Aveiro (361) e de Viana do Castelo (354).

Por outro lado, abriram ou foram construídas nos últimos anos 122 novas escolas e 439 centros escolares, principalmente no norte do país, embora a abertura destas infraestruturas não tenha, em muitos municípios, correspondência direta e proporcional ao número de escolas encerradas, devendo-se antes a um fenómeno de modernização do parque escolar.

As câmaras e também administrações regionais de saúde referiram o fim de 249 extensões de saúde, nove blocos de parto e de 104 outros serviços, incluindo-se aqui o fim de atendimento de urgências e a diminuição de valências e de horários de funcionamento.

Quanto aos CTT, empresa entretanto privatizada, começou a perder estações sobretudo a partir de 2002, mas muitas autarquias relataram que ao encerramento têm correspondido acordos com juntas de freguesia e entidades privadas para manter junto das populações alguns dos serviços que eram prestados.

Foram ainda referidos os encerramentos de 13 entidades de turismo neste período, 22 centros de segurança social, nomeadamente tesourarias e 20 postos de GNR.

Encerraram ainda 41 outros serviços públicos considerados pelas entidades locais como tendo especial importância para aquela população específica. Entre estes foram referidos o fim da ligação aérea entre Bragança e Lisboa, de Zonas Agrárias (delegações do Ministério da Agricultura) e de cartórios notariais públicos.

No Alentejo, Marvão perdeu o comboio de passageiros, Beja perdeu a ligação ferroviária à Funcheira, no Algarve, e em Silves foi referido como importante o fim da paragem dos comboios no apeadeiro de São Marcos da Serra, população isolada de 1.500 habitantes que fica assim apenas com dois autocarros diários de segunda a sexta-feira ou sujeita ao transporte particular para se deslocar.

Entre os 155 serviços que estão previstos encerrarem nos próximos tempos destaca-se a extinção de 20 tribunais e a redução dos serviços em outros 27, que passam a Secções de Proximidade.

No entanto, também aqui há escolas: as autarquias relataram terem 59 escolas para encerrar proximamente, prevendo, em contrapartida, a abertura de mais cinco novos centros escolares e 35 novas escolas.

Nestas contas não foi incluído o previsível encerramento de repartições de Finanças, por não existir ainda uma proposta concreta do atual Governo neste sentido.

No entanto, de acordo com uma projeção do Sindicato dos Trabalhadores do Impostos, 154 destas repartições, cerca de metade das atualmente existentes, podem encerrar, sobretudo no interior norte e sul.

Não foi possível obter dados diretamente das câmaras do Porto, de Gondomar, de Viseu, de Penedono, Odivelas, Castanheira de Pêra e Pedrógão Grande, tendo nestes casos os dados sido obtidos a partir do Ministério da Educação quanto ao encerramento de escolas em 2010 e 2011, das administrações de saúde e do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações.

A Lusa tentou obter comentários a este levantamento por parte do Governo, mas fonte governamental disse que ainda não é oportuno falar do assunto.

 

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 18:48 | comentar | favorito
20
Mar 14

Benfica assegura quartos de final da Liga Europa ao empatar com Tottenham

O Benfica apurou-se hoje para os quartos de final da Liga Europa de futebol, ao empatar 2-2 na receção aos ingleses do Tottenham, em jogo da segunda mão dos oitavos de final.

Os "encarnados", que na primeira mão venceram em Londres por 3-1, chegaram ao intervalo em vantagem, mercê de um tento do defesa-central argentino Garay, aos 34 minutos, mas não se livraram de um grande susto, quando o belga Chadli, no espaço de um minuto (78 e 79) virou o resultado para os ingleses. Lima, no quinto minuto de descontos e na conversão de uma grande penalidade, devolveu a tranquilidade aos benfiquistas.

O sorteio para os quartos de final realiza-se na sexta-feira, em Nyon, na Suíça.

fonte:http://www.destak.pt/art

publicado por adm às 22:08 | comentar | favorito
18
Mar 14

15% dos jovens entre os 15 e os 24 não estuda nem trabalha

Um em cada seis jovens entre os 15 e os 24 anos não estavam a trabalhar, estudar ou a ter formação em Portugal, com o país a apresentar a oitava taxa NEET mais elevada entre os países da OCDE. 

Segundo dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), divulgados hoje no relatório «Society at a Glance 2014», Portugal tinha no quarto trimestre de 2012 uma taxa NEET (sigla que se refere a jovens que não estão a trabalhar, estudar ou em formação) de 15,3%.

Esta taxa está longe dos 27,4% observados na Grécia, que atualmente lidera a lista dos países com as taxas NEET mais elevadas da OCDE (seguida da Turquia, com 26,7%, Itália, com 21,4%, México, com 21,1%, Espanha, com 19,6%, República Checa, com 18,5% e Irlanda, com 16,7%), mas é superior à taxa média dos 33 países que pertencem à organização, de 12,6%. 

A crise e consequente subida da taxa de desemprego, especialmente a dos jovens, que em 2013 alcançou pela primeira vez os 40% em Portugal, estarão na origem de uma subida de 1,5 pontos percentuais da taxa NEET em Portugal entre o quarto trimestre de 2007 e igual período de 2012. 
Na média dos países da OCDE, a taxa NEET subiu também, mas a um ritmo mais baixo, passando de 11,5% em 2007 para 12,6% em 2012. 

No relatório hoje divulgado, a OCDE destaca, no caso de Portugal, que a crise no país demonstrou a necessidade de definir prioridades no que se refere a despesas sociais, tendo em conta as fortes pressões orçamentais. 

A primeira prioridade, de acordo com a análise da OCDE, deverá ser a de assegurar apoios básicos para os grupos mais desprotegidos, com a organização a destacar que perto de 6 em cada 10 desempregados não recebe apoios ao desemprego. 

A este nível, a organização destaca que enquanto vários outros países têm tomado medidas para reforçar a assistência aos mais pobres, as reformas em Portugal, desde 2010, tornaram estes apoios ainda menos acessíveis, tendo sido observada uma quebra de 30% no número de destinatários. 

«O Governo deve monitorizar cuidadosamente se os níveis atuais de apoios sociais e a sua cobertura são adequados no contexto de uma elevada necessidade de apoio e altas taxas de desemprego de longa duração», adverte a OCDE.

Uma segunda prioridade para Portugal é ajudar as famílias mais desfavorecidas a beneficiar rapidamente de uma recuperação económica, com especial atenção para agregados familiares com um ou mais membros desempregados. 

No relatório, a OCDE lança ainda uma recomendação geral aos países membros, para que sejam capazes de, numa altura de recuperação das suas economias, preparar uma próxima crise, por exemplo, através de poupanças em períodos de alta, que façam face a uma subida dos custos sociais em períodos mais recessivos. 

Do lado da despesa, de acordo com a OCDE, os países deverão adequar os apoios às condições do mercado de trabalho, por exemplo reduzindo-os durante os períodos de recuperação da economia e deslocando os apoios para políticas ativas de emprego. 

Do lado das receitas, refere o relatório, os países devem procurar trabalhar no sentido de ampliar as bases de tributação, reduzir a sua dependência em relação aos impostos e ajustar os sistemas fiscais à crescente disparidade de rendimentos. 

Por outro lado, acrescenta, os governos devem continuar as reformas estruturais relativas aos sistemas de proteção social.

 

fonte:http://www.tvi24.iol.pt/e

publicado por adm às 20:26 | comentar | favorito
17
Mar 14

Portugueses insatisfeitos com a democracia

Os portugueses estão cada vez menos satisfeitos com a democracia, o que é compreensível tendo em conta a degradação das condições económicas e sociais dos últimos anos, concluiu um estudo europeu.

A 6.ª edição do European Social Survey "Significados e avaliações da democracia" recolheu dados em 23 países, incluindo Portugal, tendo analisado as opiniões dos cidadãos e dos políticos acerca do tema.

"Os dados sugerem que a valorização da justiça social como elemento indissociável do conceito de democracia parece ser especialmente intensa nos países com maiores desigualdades de rendimentos, dos quais Portugal claramente faz parte", refere o documento a que a Lusa teve acesso.

Assim, "o declínio da satisfação com o funcionamento da democracia a que se assiste em Portugal torna-se compreensível, especialmente tendo em conta a degradação das condições sociais e económicas nos últimos anos", segundo os especialistas.

Para os portugueses "os maiores défices democráticos" estão no funcionamento dos tribunais, na capacidade dos governos assegurarem justiça social e "num sentimento de falta de controlo popular do poder político", ou seja, governos que não explicam as suas decisões aos eleitores e insuficientes mecanismos de democracia directa.

Aliás, é no funcionamento dos tribunais, nos direitos das minorias e no combate à pobreza que a avaliação dos portugueses "mais se afasta daquela que é feita, em média, no resto dos países europeus".

Os portugueses têm uma concepção de democracia que não se esgota nas "eleições livres e justas" e relevam aspectos como a igualdade perante a lei e um funcionamento do sistema político que permite "castigar maus governos" e os obrigue a informarem os cidadãos.

Os europeus com maior rendimento e mais instrução "tendem a ter um conceito de democracia mais baseado em acepções liberais e desvalorizar as acepções ligadas à justiça social ou ao controlo popular através de referendos" e quanto mais à direita, em termos ideológicos, menos valorizam qualquer uma dos aspectos de democracia.

As mulheres valorizam menos o aspecto "liberal" da democracia e enfatizam mais o "social". 
As avaliações dos portugueses estão abaixo das detectadas na média europeia com excepções: qualidade da informação dos meios de comunicação social, eleições livres e justas, liberdades das oposições e dos media.

Quanto à qualidade da informação nos meios de comunicação, a importância que os políticos lhe atribuem "é particularmente elevada" e a avaliação que fazem "é particularmente negativa".

Cidadãos e políticos divergem quanto à importância de o governo alterar as orientações definidas para seguir a vontade da maioria, e se os eleitores querem flexibilidade, os representantes da população defendem que o rumo traçado deve prosseguir.

"Existe uma diferença significativa entre classe política e cidadãos quanto à importância de o governo alterar as políticas consoante a vontade da maioria sendo que a classe política valoriza mais do que os cidadãos a capacidade do governo em manter o rumo", salienta o estudo.

A recolha de dados entre políticos portugueses abrangeu todos os deputados da Assembleia da República e presidentes de câmaras. Os responsáveis pelo estudo em Portugal ressalvam que a taxa de respostas válidas dos deputados é de 38% e dos autarcas de 46%.

A 6.ª edição do European Social Survey "Significados e avaliações da democracia" teve a participação do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e será apresentado na terça-feira em Lisboa.

 fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 22:00 | comentar | favorito

Despedimento colectivo é "inevitável" na RTP

Rescisões voluntárias não têm a adesão esperada. Director de informação das rádios diz que “não há outra saída” a não ser o despedimento colectivo na empresa.

O processo de rescisões voluntárias na RTP não está a ter a adesão esperada e o cenário de despedimento colectivo na televisão e rádio públicas volta a estar em cima da mesa.

Numa reunião com o Conselho de Redacção (CR), o director de informação das antenas da RTP reconheceu que o plano de saídas voluntárias "está a ficar muito aquém do desejado" e que, dado o actual orçamento da empresa, "é inevitável o cenário de despedimento colectivo".

Questionado pelos elementos do CR, que representa os jornalistas, Fausto Coutinho disse não saber quais serão as opções do Conselho de Administração, ainda que, na sua opinião, não haja "outra saída".

Sobre a rádio - que nos últimos anos registou mais de 20 saídas, entre rescisões, mudanças internas e a transferência da equipa da RDP Internacional para a Direcção de Serviços Internacionais - o director de informação considerou que "não há margem para deixar sair mais trabalhadores".

A RTP abriu, em Fevereiro, um novo Plano de Saídas Voluntárias (PSV), no âmbito do processo de reestruturação da empresa que prevê um corte de 22 milhões de euros nos custos com pessoal. O plano, que termina a 31 de Março, previa que os trabalhadores que aceitem as condições têm de deixar a empresa até 11 de Abril. Para acelerar o processo, a RTP oferece um bónus de 15% para as rescisões que sejam concluídas até 20 de Fevereiro, 7,5% para as que ocorram até 6 de Março e 2,5% até 20 de Março.

 fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 21:59 | comentar | favorito