Nem um armazém construído após promessa de 17.500 empregos

Três anos e meio após o lançamento da plataforma logística Lisboa-Norte, para a qual estava previsto um investimento de 265 milhões de euros e a criação de 17 500 empregos, ainda não foi construído um único pavilhão e as obras estão paradas há meses.

O empreendimento, sediado na freguesia de Castanheira do Ribatejo, concelho de Vila Franca de Xira, foi apresentado com pompa e circunstância a 11 de Março de 2008, com a presença do então primeiro-ministro, José Sócrates.

A Abertis Logística, empresa promotora espanhola, anunciava um investimento de 265 milhões de euros que iriam permitir a criação de 17 500 postos de trabalho, sendo cinco mil directos, durante os dez anos seguintes.

Josep Canós, director-geral da Abertis Logística, disse, na altura, que a plataforma ia oferecer “armazéns modernos e versáteis numa área de construção de 500 mil metros quadrados (mais de 50 campos de futebol)”. Era intenção da empresa “começar a comercializar os primeiros armazéns durante 2011”.

Mas a realidade no local é bem diferente e comprova que, até ao momento, não foi construído nenhum armazém, sinal de que não há empresas nem serviços a funcionar na Plataforma Logística Lisboa – Norte.

As únicas obras visíveis prendem-se com os acessos à Auto-estrada 1 e à Estrada Nacional 1, estando os cerca de 100 hectares, delimitados pela central termoeléctrica do Carregado e a nova estação de caminho de ferro, vedados com arame e blocos de cimento.

A empresa mantém no local um stand de vendas com uma funcionária.

“A obra está completamente parada há muitos meses e o que se tem feito são os acessos. Sentimos uma grande preocupação, pois havia a promessa da criação de milhares de empregos e nada disso aconteceu até agora”, lamentou o presidente da Junta de Freguesia de Castanheira do Ribatejo.

Ventura Reis, (CDU), disse que tem a informação, da câmara de Vila Franca de Xira e da empresa, “ de que há um ou dois interessados em se instalarem na plataforma” mas, para já, “não há nada em concreto”.

O autarca deixa ainda um outro lamento. “Desafectou-se um terreno desta dimensão que era RAN [Reserva Agrícola Nacional] e que continha um dos melhores lençóis de água doce da Europa, para se chegar a esta situação”.

De acordo com o município de Vila Franca de Xira “a empresa conta começar a construir os primeiros pavilhões até ao final do ano ou no início de 2012”.

A autarquia atribuiu o atraso no desenvolvimento da plataforma “à retracção do mercado, provocada pela crise económica e financeira que se está a viver em toda a Europa”.

A Câmara avança ainda que “existem negociações com empresas interessadas em instalar-se na Plataforma”, mas não revela quais nem quantas.

A Abertis Logistica faz parte, desde Junho, da Saba Infraestructuras, e em resposta escrita enviada à agência Lusa, a empresa refere que as obras na plataforma “se encontram concluídas em cerca de 66%” e a dos acessos “ em 20%”.

Situação “que permite avançar com os trabalhos de construção dos armazéns, correspondentes à primeira fase do empreendimento”.

No entanto, a Saba Infraestructuras, questionada pela Lusa, não adianta quando é que essas obras irão começar nem revela quantas empresas é que estão interessadas em se instalar na Plataforma Logística Lisboa – Norte.

fonte:http://sol.sapo.pt/i

publicado por adm às 18:34 | favorito
tags: