Factura da luz mais pesada. Autarquias e empresas temem pelo futuro

Autarquias e empresas dizem não suportar a subida do IVA de 6% para 23% no gás natural e na electricidade, que hoje entram em vigor. A medida tem um custo de 45 milhões de euros para as Câmaras, o que, segundo a Associação Nacional de Municípios (ANMP) vai levar alguns concelhos a ficar às escuras. 

“Não vejo outra solução que não seja diminuir a iluminação pública, nalguns casos até cortar. Mas não tenha dúvidas de que isso será extremamente perigoso, em termos de segurança pública”, refere à Renascença Rui Soalheiro, vice-presidente da ANMP. 

Para evitar que tal aconteça, o responsável deixa um apelo ao Governo: “isentar os municípios do pagamento deste aumento”. 

“Ter aumentos de despesa desta natureza, numa área fundamental para a vida das pessoas e a sua segurança, como é a iluminação pública, é inaceitável”, sustenta. 

Entre as empresas, sobretudo nas de média e pequena dimensão, impera o medo do futuro. Nuno Carvalhinho, da Associação Nacional de Pequenas e Médias Empresas, diz que o sector já não aguenta mais despesa. 

“Se não tem sequer dinheiro para pagar os seus impostos e os descontos para a Segurança Social, se vão ter um aumento da electricidade, é mais um custo que só vai agravar as suas dificuldades. É mais um contributo para empurrarmos as empresas para uma situação de insolvência”, afirma à Renascença. 

O aumento da taxa de IVA na electricidade e no gás natural foi acordado com a “troika”.

fonte:http://rr.sapo.pt/i

publicado por adm às 17:30 | comentar | favorito