Empresas têm de reduzir custos em 20% para evitar subidas extra do preço em 2012

O secretário de Estado dos Transportes referiu hoje que se o ajustamento das empresas de transportes não se traduzir num corte de custos de 20%, terá de haver um aumento extraordinário do preço dos transportes em 2012, de valor superior à inflação.

 "O ajustamento de 15% que fizemos em Agosto ajuda a suavizar o défice das empresas de transportes, mas não chega" salientou o responsável  governamental, que encerrou a conferência da OTOC/TSF. Sérgio Monteiro disse ainda que o aumento a fazer em 2012 vai depender do sucesso do plano de corte dos custos e do aumento de eficiência das empresas.

Salientando que se nada fosse feito, a dívida das empresas de transportes aumentaria a um ritmo de mil milhões de euros por ano, sublinhou que o plano aponta para um corte nos custos da ordem dos 20% e que um aumento extraordinários dos preços dependerá do sucesso deste plano.

Aquele plano de cortes implicará um aumento dos níveis de eficiência e também a redução de alguma oferta dos serviços. Como exemplo das "redundâncias que podem ser eliminadas" referiu os casos em que o Metro de Lisboa e a Carris têm o mesmo local de partida e de chegada.

Sérgio Monteiro recusou, todavia, adiantar se estes cortes iriam traduzir-se também em reduções de pessoal. "A questão de eliminação de postos de trabalho será analisada de seguida. Para já estamos focados no aumento da eficiência e do controlo de custos", referiu, para deixar claro que "não há dinheiro para sustentar défices de natureza não produtiva"

O secretário de Estado salientou ainda que as a evolução das contas das empresas de transportes é monitorizada através dos reportes mensais a que estas empresas estão obrigada a fazer..

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 23:24 | favorito
tags: