Transportes: Eventuais novos aumentos penalizam serviço e utentes

A Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (FECTRANS) condenou hoje eventuais aumentos extraordinários do preço dos transportes, afirmando que penalizam o serviço às populações e não resolvem os problemas das empresas.

"Condenamos esta política de aumento do preço dos transportes, que penaliza os utentes, as próprias empresas e põe em causa o serviço prestado às populações", afirmou à Lusa Amável Alves, da Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (FECTRANS).

O responsável reagia assim às declarações do secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, que hoje disse que apenas um corte dos custos operacionais das empresas de transportes "na ordem dos 20%" permitirá ao Governo evitar novos aumentos extraordinários.

O sindicalista salientou que o transporte público é um "serviço social que é prestado às populações", acrescentando que os aumentos dos preços "penalizam os utentes, que já enfrentam um agravamento do custo de vida, e não vêm resolver os problemas das empresas" do sector.

Amável Alves afirmou ainda que, através da concretização de eventuais aumentos, o Governo "quer fazer os trabalhadores e os utentes pagarem" para resolver o endividamento que as empresas de transportes foram acumulando ao longo dos últimos anos.

Segundo os dados divulgados hoje pelo secretário de Estado, a dívida das empresas públicas no sector dos transportes e das obras públicas "ultrapassa actualmente os 20 mil milhões de euros".

Em Agosto, o preço dos títulos aumentou, em média, 15% nos transportes rodoviários urbanos de Lisboa e do Porto, para os transportes ferroviários até 50 quilómetros e para os transportes fluviais.

Para os títulos relativos aos transportes colectivos rodoviários interurbanos de passageiros até 50 quilómetros, o Governo fixou em 2,7% a percentagem máxima de aumento médio nos preços.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/E

publicado por adm às 23:23 | comentar | favorito