Comissário europeu considera que os portugueses "já não vivem acima das possibilidades"

O comissário europeu dos assuntos económicos diz que os portugueses e os espanhóis "já não vivem acima das suas possibilidades". Na apresentação do relatório "Euro Plus Monitor 2013", em Bruxelas, Olli Rehn sustentou ainda que se está perante um "reequilíbrio da economia da zona euro".

Para o comissário, os mais recentes dados do Eurostat, que é o gabinete oficial de estatísticas da União Europeia, "mostram que as economias de Espanha e Portugal voltaram a território positivo". Olli Rehn argumentou que têm sido feitos muitos progressos na economia da zona euro e em particular nos países sob programa de ajustamento, que são "reconhecidos pelos parceiros internacionais e forças de mercado" e pelo próprio relatório 'Euro Plus Monitor', que reconhece que estes países "já não vivem acima das suas possibilidades". 

Por isso, sublinhou Olli Rehn, os países que acumularam défice ao longo da última década "vêem agora as suas exportações contribuírem fortemente para o crescimento". "Por exemplo, em Espanha e Portugal estamos a assistir a uma grande melhoria do crescimento das exportações", com reflexos no crescimento, disse o comissário, observando que a Irlanda "já estava neste caminho há algum tempo". 

Olli Rehn voltou ainda a fazer a defesa dos programas de ajustamento económico, apontando que estes "têm como objectivo assegurar um regresso à estabilidade financeira e macroeconómica e sustentabilidade orçamental", que "são pré-condições para a criação de emprego e crescimento sustentáveis, os objectivos últimos destes programas". 

Comissário finlandês perfila-se como candidato à sucessão de Durão Barroso 
Olli Rehn diz-se disponível para ser candidato ao Parlamento Europeu (PE) e à presidência da Comissão Europeia, o que pode levar à suspensão ou abandono total das actuais funções, pelo menos a partir de Abril do próximo ano. 

O comissário finlandês, um dos rostos da política de austeridade, admitiu recentemente poder ser o candidato da sua família política europeia à sucessão de Durão Barroso. A decisão será tomada pelos liberais europeus no início de Fevereiro e, caso seja escolhido, Rehn deve candidatar-se ao PE nas eleições que decorrem entre 22 e 25 de Maio de 2014. 

De acordo com a Comissão Europeia, Rehn ainda não tomou uma decisão definitiva, pelo que ainda não discutiu o assunto com Durão. Caso isso aconteça, Barroso deve proceder a uma mini-remodelação, entregando a pasta de Rehn a outro comissário. 

Um comissário é livre de se candidatar em quaisquer eleições. No caso das europeias, a actividade na Comissão deve ser suspensa "pelo menos a partir do fim" da última sessão plenária da legislatura do Parlamento Europeu, que é no dia 17 de Abril de 2014. 

O código de conduta dos comissários europeus estipula que os mesmos devem suspender a sua actividade "durante todo o período de implicação activa na campanha". Ou seja, e na prática, Rehn pode suspender as actuais funções muito antes de Abril. 

A actual Comissão está em funções até 31 de Outubro de 2014.


fonte:http://rr.sapo.pt/i

publicado por adm às 21:54 | favorito