Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Noticias do momento

Noticias do momento

17
Out13

Comprar carro a gasóleo vai custar mais 500 euros

adm

Proposta de Orçamento do Estado impõe este novo custo que acresce ao imposto sobre veículos. Carlos Barbosa, do ACP, diz que o Governo está a prejudicar a Economia.


As famílias que queiram comprar um carro novo a gasóleo vão ter de pagar mais 500 euros, segundo uma nova medida incluída no Orçamento do Estado de 2014. Trata-se de um valor único, independente da cilindrada do veículo. 

A proposta de Orçamento do Estado para 2014 impõe este novo custo que acresce ao imposto sobre veículos, apurou aRenascença.

Mas também as empresas vão pagar mais. De acordo com o articulado do Orçamento entregue ontem na Assembleia da República, para os veículos de mercadorias há um agravamento de 250 euros. 

São custos a que se somam os aumentos no Imposto Único de Circulação, agravado apenas para os carros a gasóleo. Assim, além do Imposto Único de Circulação vai ter de pagar uma taxa anual que pode ir de 1,39 a 68 euros. 

Também os veículos a gás passam a contribuir para o chamado serviço rodoviário através do imposto sobre produtos petrolíferos. 

Porque não vão aos subsídios dos partidos?
O Automóvel Clube de Portugal (ACP) já disse que é mais uma machadada na economia uma vez que muitas empresas utilizam carros ligeiros a gasóleo. “É um absurdo completo porque o Governo sabe, e sobretudo a pasta da Economia sabe, que o peso dos combustíveis no orçamento de uma empresa é enorme, o peso dos combustíveis no preço final é enorme.” 

O Governo justifica este imposto no facto de os carros a gasóleo serem mais poluentes, mas isso não convence Carlos Barbosa.“A desculpa de ser mais poluente é falaciosa, porque o parque automóvel comercial em Portugal está todo dentro das regras da comunidade europeia, por isso não é desculpa.” 

Carlos Barbosa, presidente do ACP, considera que este é um orçamento “feito a olho” e pergunta porque é que o Governo não foi atrás dos subsídios dos partidos: “Como foram às bebidas e ao tabaco foram aos combustíveis. Porque é que não foram buscar os 43 milhões que buscaram ao despesismo do Estado? E não estou a falar em salários e em pensões. O Estado tem despesas absolutamente absurdas, porque é que não foram por aí? Porque é que não vão aos subsídios dos partidos? Isto é prejudicar a economia”, considera.

fonte:http://rr.sapo.pt/i

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D