Famílias batem recorde de poupança

O indicador de poupança APFIPP/Universidade Católica subiu de 121,6 pontos em maio para 123,7 pontos em junho, atingindo um novo máximo histórico, foi divulgado esta quarta-feira.

No segundo trimestre de 2013, a tendência de crescimento da poupança das famílias manteve os sinais de estabilização em níveis historicamente elevados, refere o documento.

"O nosso indicador sugere que, em termos agregados, as famílias têm aumentado a sua taxa de poupança em 0,10-0,15 pontos percentuais do PIB [Produto Interno Bruto] em cada trimestre desde dezembro de 2009", acrescenta.

O indicador de poupança APFIP/Universidade Católica procura antecipar a evolução da taxa de poupança das famílias portuguesas em percentagem do PIB e resulta da análise ao comportamento de um conjunto alargado de fontes estatísticas.

O indicador de poupança assume o valor 100 no último trimestre de 2000 quando a taxa de poupança foi cerca da 8% do PIB.

Assim, cada 12,5 pontos do indicador representam cerca de 1% do PIB. Quando o indicador atinge o valor 125 a poupança das famílias é cerca de 10% do Produto.


Esse "consenso" político apenas diz respeito "aos limites", disse o governador. "Aquilo que se faz no interior dos limites é o papel do debate político. O banco central não tem nada a dizer sobre essa matéria".

"A única coisa que me preocupa é a consistência entre a política orçamental e a política monetária, porque sempre que a política orçamental não é consistente com a política monetária, esta tem dificuldade em transmitir-se aos agentes económicos e essa dificuldade acaba por ser paga pelo setor das empresas, que vêm os seus 'spreads' aumentar", avisou o membro do Conselho do Banco Central Europeu.

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/n

publicado por adm às 00:05 | comentar | favorito