Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Noticias do momento

Noticias do momento

06
Jul13

Industriais portugueses contra químicos no bacalhau

adm

Os industriais do bacalhau acusam o Governo de estar a destruir a indústria nacional com a cedência à adição de fosfatos na cura tradicional portuguesa.
 
A Associação dos Industriais de Bacalhau considera que o Governo não salvaguardou os interesses portugueses nas negociações com a União Europeia. O secretário de Estado da Alimentação já veio dizer que a introdução de polifosfatos na seca do bacalhau prevê excepções para Portugal. Certo é que o fiel amigo pode deixar de ser como é actualmente.

Há um ano, o Governo português começou por manifestar a sua frontal oposição à adição de químicos na cura do bacalhau, quando a questão começou a ser discutida no Comité Permanente para a Cadeia Alimentar e Saúde Animal da União Europeia.

Mas esta semana, quando a proposta foi aprovada, acabou por alinhar ao lado dos países que defendem a junção de fosfatos, o que lhe valeu a frontal oposição da Associação dos Industriais do Bacalhau.

O sector acusa o Executivo de ter cedido em toda a linha e de estar a ditar o fim da indústria de transformação do bacalhau.

Esta sexta-feira à tarde, o secretário de Estado da Alimentação e da Investigação Alimentar respondeu com um comunicado. Nuno Vieira e Brito garante que o documento a que Portugal deu o “sim” inclui medidas específicas para o nosso país, nomeadamente, o fornecimento do peixe à indústria sem polifosfatos, a possibilidade dessa presença ser confirmada, o compromisso da União europeia acompanhar a questão durante três anos e a informação ao consumidor, na rotulagem.

Não serve de nada, contra-argumentam os industriais, porque não há um método rápido de detecção de fosfatos. E até Janeiro, altura em que a introdução de polifosfatos vai ser feita, o Governo não tem tempo para criar condições para fiscalizar e punir os infractores.

Quanto o sal for trocado pelos químicos, o bacalhau vai mudar de cor –  ficar mais branco – e  ter outro sabor, mesmo que disfarçado pelas 1001 maneiras de o cozinhar. Mas sobretudo, vai ficar mais caro porque a cura leva mais tempo a fazer.

fonte:http://rr.sapo.pt/i

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D