Bruxelas recusa dar para já mais tempo a Portugal para reduzir défice

É recomendado às autoridades nacionais que devem adoptar medidas permanentes de consolidação de pelo menos 2% do PIB em 2014, no âmbito da chamada reforma do Estado. Quanto a este ano, o PIB deve ser de 5,5%.


A Comissão Europeia ignorou esta quarta-feira os recados do Governo português sobre a possibilidade de o país ter mais tempo para reduzir o défice e reiterou a necessidade de Portugal efectuar poupanças que garantam um défice orçamental de 4% em 2014. 

Bruxelas formalizou hoje a proposta feita pela “troika” em Março de dar mais um ano para Portugal reduzir o défice para menos de 3% do PIB até 2015, mas, para já, recusou ir mais longe, tal como o Governo admitiu ser necessário nos últimos dias. 

Na recomendação sobre Portugal, a Comissão escreve que as autoridades nacionais devem adoptar medidas permanentes de consolidação de pelo menos 2% do PIB em 2014, no âmbito da chamada reforma do Estado. Quanto a este ano, o PIB deve ser de 5,5%. 

Isto no mesmo dia em que além de confirmar o ano suplementar para Portugal, o executivo comunitário flexibilizou as metas orçamentais de outros países. No caso de Espanha, França, Polónia e Eslovénia, Bruxelas foi bem mais generosa e aceitou empurrar a meta do défice em dois anos. Tal como Portugal, Bélgica e Holanda dispõem de mais um ano para corrigir as contas. 

Em contrapartida, a todos os países são exigidos esforços suplementares ao nível das reformas estruturais. Esta modificação é o reconhecimento de que a recessão está a atingir o centro da Europa e não apenas a periferia e que o cumprimento cego das metas nominais pode ser prejudicial à economia.

fonte:http://rr.sapo.pt/

publicado por adm às 21:29 | comentar | favorito
tags: