Genéris vai introduzir dez novos genéricos no mercado este ano

A Genéris deverá acrescentar ao seu portfólio, que já conta com 220 medicamentos, dez novos remédios genéricos que serão lançados no mercado nacional ainda este ano. O diretor geral da empresa, Paulo Lilaia, afirma que ainda há potencial de crescimento para os genéricos em Portugal.

Como exemplo refere que a “quota de mercado dos genéricos é de 28%, sendo 14% da Genéris, e é possível duplicar este valor, para este ano a meta é chegar perto dos 20%, uma vez que ainda é uma taxa muito baixa quando comparada com outros países”.

A explicação para esta baixa taxa de quota de mercado não estará certamente no preço, uma vez que, “um medicamento genérico tem um preço médio de seis euros, enquanto que um não genérico é de 12 euros”, explica Paulo Lilaia, acrescentando, a questão “é que Portugal começou muito tarde no mercado dos genéricos, apenas em 2000, enquanto que outros países já o faziam na década de 80, depois são questões culturais, mas o curioso é que são os países mais desenvolvidos que mais consomem genéricos”.

Além de novos medicamentos a Genéris pretende continuar a crescer, “também na área industrial, para produzir para nós, mas também para terceiros, sejam eles nacionais ou internacionais”. Nesse sentido reforçaram o investimento na renovação e expansão dos equipamentos nas suas duas fábricas, que em 2013 contará com um investimento até dois milhões de euros. “Este crescimento de capacidade industrial traduziu-se também na necessidade de novas contratações, tendo sido já este ano integradas mais 25 pessoas na área”.

Para além disso, a Genéris está também numa fase de crescimento no que diz respeito à exportação, “para África, lusófona e francofona, e para o Médio Oriente”, avança Paulo Lilaia. O objetivo da empresa é que a curto prazo as exportações relativas a produtos com a marca Genéris representem mais de 10% das receitas, o que em 2012 rondou os 5% do total das vendas.

A Genéris é atualmente a empresa líder de laboratórios genéricos em Portugal e a empresa nacional com maior portfólio. Criada em 2001, deu início à comercialização de medicamentos em 2002. A empresa está presente há mais de 25 anos no mercado hospitalar, dos seus 220 medicamentos, 60 são para ambiente hospitalar e os restantes para ambulatório.

A empresa tem duas fábricas, uma na Venda Nova, Amadora, e outra em Loures, com uma capacidade instalada de produção de 50 milhões de unidades.  

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 22:45 | comentar | favorito
tags: