Porto derrota Benfica

Golo de Kelvin resolveu nas compensações.

O Porto impôs a primeira derrota ao Benfica na Liga Zon Sagres (2-1), manteve-se invicto e passou a dispor de um ponto de vantagem na liderança a uma jornada do final. Na próxima semana, os portistas visitam Paços de Ferreira e os lisboetas recebem o Moreirense na 30ª e última ronda. Antes disso, na quarta-feira, os benfiquistas vão jogar em Amesterdão, com o Chelsea, a final da Liga Europa.

Enquanto Vítor Pereira manteve os titulares habituais, Jorge Jesus deixou apenas Lima na frente, deslocando Gaitán para o centro e apostando no holandês Ola John para a esquerda. Daqui resultaram equipas com estratégia bipartida: os bicampeões nacionais mais ambiciosos, mas também pacientes na circulação de bola e organização do ataque; os benfiquistas agressivos, embora cuidadosos no posicionamento em campo.
Com o meio-campo equilibrado em função da presença do argentino, a ameaça às balizas demorou, mesmo que a bola fosse entrando nas áreas, embora sem consequências. No primeiro lance mais perigoso, o Benfica adiantou-se no marcador através do 18º golo de Lima na Liga Zon Sagres: lançamento de linha lateral de Salvio, houve vários ressaltos e, após um remate de Garay desviado em Fernando, o avançado brasileiro, que completou hoje 30 anos, surgiu sem marcação junto da pequena área a atirar para o golo (19 m).
O Porto oscilou um pouco, mas não tardou a reagir, procurando acelerar o ritmo e jogar mais pelos flancos, em especial pelo lado esquerdo, obtendo o empate numa destas iniciativas por insistência de Varela que cruzou, a bola tabelou em Maxi Pereira e Artur, que esperava o cruzamento, ainda se lançou, mas já não foi capaz de impedir o golo: tinham decorrido sete minutos desde o golo forasteiro e os portistas recuperavam o alento para buscar a vitória.
Os minutos seguintes reaproximaram as equipas das balizas: Lima testou a atenção de Helton num livre directo e João Moutinho deixou resposta à altura, num pontapé forte, desferido de fora da área e defendido por Artur. Depois o encontro entrou numa fase mais equilibrada, permanecendo intenso até ao intervalo, mas sem jogadas nas áreas.
Na segunda parte, o Porto reapareceu disposto a marcar, pressionando o adversário e com isso obrigando Enzo Pérez e Matic a correrem mais riscos (ambos viram cartão amarelo). Quando mexeu na equipa, Jorge Jesus retirou Gaitán, colocando Roderick; Vítor Pereira teve de retirar Fernando (lesionado) e ocupou a vaga com Defour e Jesus trocou Lima por Cardozo (73 m).
Com a entrada nos últimos minutos, o desafio ganhou carga dramática e Vítor Pereira decidiu-se pela entrada do jovem Kelvin para preencher o lugar de Lucho González (79 m). No lado oposto, Cardozo aproveitou um livre directo para rematar rasteiro, de forma traiçoeira, cabendo a Helton uma excelente intervenção junto ao poste direito. 
A sete minutos do fim, Ola John deu sinal para o banco de que não tinha forças para jogar mais e Jesus chamou Aimar. Os anfitriões ripostaram com o risco total, substituindo Danilo por Liedson. No minuto seguinte, James Rodríguez isolou-se (num fora-de-jogo que ficou por assinalar) e atirou rasteiro, acertando no poste esquerdo. 
Pedro Proença deu quatro minutos de compensação e, no primeiro desses minutos, num contra-ataque pela esquerda, Kelvin - que já resolvera o encontro com o Braga - recebeu o passe de Liedson, atirando cruzado para o 2-1. Uma pequena invasão de adeptos foi resolvida de pronto e o estádio entrou em ebulição festiva com a chegada ao primeiro lugar e o final da partida.

fonte:http://economico.sapo.pt/n

publicado por adm às 23:43 | comentar | favorito
tags: ,