Campanha da DECO para pagar menos pela luz junta meio milhão de aderentes

Quase meio milhão de consumidores já aderiram ao leilão da DECO para pagar menos na factura electricidade.

"Com este voto de confiança, traduzido em mais de 477 mil adesões, poderemos começar a pensar em leilões para outras áreas. Neste momento tudo está em aberto, vamos equacionar todas as hipóteses para, em áreas importantes, estar também presentes e aplicar um modelo semelhante", disse à Lusa Rita Rodrigues da DECO.

Este convite aos consumidores para se juntarem e pagarem menos na factura da luz foi lançado há dois meses pela DECO e termina na próxima terça-feira, ultimo dia de Abril, com o fim da aceitação de adesões no 'site' www.paguemenosluz.pt, estando marcado para 2 de Maio o leilão pelo melhor preço junto de operadores como a EDP, Galp, Endesa ou Iberdrola, entre outros.

"Contávamos ter uma enorme aderência, mas ficamos surpreendidos com a rapidez de adesão logo na primeira semana. O nosso principal objectivo era mexer com o mercado e isso já estamos a atingir ao envolver tantos consumidores e levar a cabo o nosso lema que é juntos somos mais fortes", considerou a jurista.

A DECO diz que os consumidores estão "saturados" de ter um mercado que "não é competitivo" e de um mercado que foi liberalizado mas não oferece grandes alternativas: "A adesão mostra que há uma necessidade de reagir" dos consumidores, frisou.

Após estarem definidos os operadores vencedores por cada tarifário, os consumidores que aderiram à campanha podem escolher ter as condições de preço resultantes do leilão que a DECO tem a expectativa de serem as melhores tarifas do mercado livre:

"Garantimos o melhor preço e um contrato "livre" de cláusulas abusivas", afirma Rita Rodrigues.

A DECO oferece-se também para fazer as contas de cada consumidor que aderiu ao leilão e enviar a estimativa de poupança face aos consumos individuais actuais.

"Ate final de maio, princípio de Junho, vamos enviar as propostas individuais e até ao final de Junho vamos dar liberdade aos consumidores para decidirem" qual o operador que querem escolher, disse Rita Rodrigues.

 

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 10:08 | comentar | favorito