Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Noticias do momento

Noticias do momento

13
Abr13

IMI: antes de correr para o multibanco olhe bem para a conta

adm

Antes de avançarem para as Finanças ou para o multibanco para pagar o IMI, os donos dos imóveis devem olhar com atenção para a nota de liquidação. É que há casos em que a cláusula de salvaguarda não foi acionada e outros em que, apesar de a casa já ter passado pelo crivo da avaliação geral, o imposto foi ainda calculado com base no valor patrimonial antigo e, por isso sujeito a acertos, para baixo ou para cima. Em ambos os casos, o conselho da Deco é para que reclame junto das Finanças.

  A probabilidade é baixa mas real: há casas já com valor patrimonial revisto em alta que vão pagar menos IMI, porque a taxa de imposto aplicável (0,3% e 0,5%)  é mais baixa do que a dos VPT “antigos” (que oscila entre 0,5% e 0,8%). Mas há proprietários que receberam já há vários meses o resultado da avaliação da sua casa, sem que este fosse tido em conta na fatura de IMI que agora lhes chegou. Se desta diferença resultar um pagamento acima do devido, o melhor é fazer uma reclamação junto da repartição de Finanças, para ser mais tarde ressarcido. ´

É certo que existe já um ofício circulado da Autoridade Tributária e Aduaneira a alertar para o cenário inverso: ou seja, a dar conta de que os donos das casas cujo processo de avaliação não estava ainda concluído aquando do envio das faturas do IMI, podem vir chamados a pagar o imposto em falta até Novembro.

Seguindo esta lógica, precisa António Ernesto Pinto, da Deco, a administração fiscal deveria também tomar a iniciativa de devolver o dinheiro quando detetar que este pagou mais do que o devido. Mas na ausência de um procedimento legal sobre esta questão específica, a reclamação parece ser a melhor opção.

O bastonário da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas vai mais longe e sublinha que as notas de liquidação não podem ser corrigidas posteriormente se a o VPT da casa  foi fixado já em 2013 porque o imposto refere-se a 2012, e aconselha os contribuintes a oporem-se à liquidação. "Um ofício circulado não faz lei", precisa Domingues de Azevedo, acentuando que o IMI tem de ser calculado com base no VPT existente a 31 de dezembro de 2012.

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D