Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Noticias do momento

Noticias do momento

03
Abr13

Março foi um dos mais chuvosos das últimas décadas

adm

O mês de Março deste ano foi o sétimo Março mais chuvoso em Portugal continental desde 1931, informou hoje o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O valor médio da quantidade de precipitação foi de 222 milímetros, o que representa “um desvio de mais 161 milímetros em relação à média de 1971-2000”, indicou o IPMA em comunicado.

Quanto à razão deste aumento, o instituto refere que “o estado do tempo foi condicionado por uma região depressionária complexa, com núcleos principais centrados no Arquipélago dos Açores e perturbações frontais a ela associadas, com ocorrência de períodos prolongados com precipitação”.

Em consequência, “no mês de Março verificaram-se quantidades de precipitação muito elevadas (cerca de 2,5 a cinco vezes superiores aos valores médios), que levam a classificar este mês como ‘muito chuvoso a extremamente chuvoso’ em todo o território”.

O número de dias com precipitação (igual ou superior a um milímetro) variou entre 15 e 25, sendo duas a quatro vezes superior aos valores médios registados entre 1971 e 2000, enquanto o número de dias chuvosos (com precipitação igual ou superior a 10 milímetros) variou entre três e 15, sendo duas a oito vezes superior aos valores médios, precisou o IPMA.

A mesma fonte salientou que um grande número de estações das regiões do norte e centro registou mais de dez dias chuvosos e que se verificou em algumas estações meteorológicas um elevado número de horas consecutivas com precipitação igual ou superior a 0,1 milímetros.

A 31 de Março, prossegue o instituto, “o conteúdo de água no solo apresentava valores superiores aos valores médios, estando o solo saturado em todo o território” e “os valores da quantidade de precipitação acumulada no ano hidrológico (de 01 de Outubro de 2012 a 31 de Março deste ano) variam entre 105 e 190 por cento.

O IPMA aponta ainda que o elevado número de situações com “condições excepcionalmente chuvosas originou numerosas ocorrências de deslizamentos de terras, derrocadas” e que “os elevados valores da precipitação registados fizeram subir consideravelmente o nível dos cursos de água, tendo ocorrido cheias nas principais bacias hidrográficas” – uma situação para a qual “contribuiu também a precipitação ocorrida em Espanha e a correspondente necessidade de descargas das barragens”.

fonte:Lusa/SOL

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D