Corrida à EDP com fim das tarifas reguladas na luz

Portugueses podem escolher fornecedor no mercado livre a partir de janeiro. Mercado regulado vai ter tarifas revistas de 3 em 3 meses


O fim das tarifas reguladas está a causar uma corrida às lojas econtact centers da EDP com a empresa a relembrar que a passagem para o mercado livre decorre até 2015 e que os consumidores continuarão a ser fornecidos.

«Verificámos nesta primeira quinzena de dezembro 360 mil clientes nos contact centers e 60 mil nas lojas, um aumento médio de 30% no país e que está entre os 50% e 100% nos centros urbanos face ao mesmo período do ano passado», disse à agência Lusa o presidente da EDP Comercial (empresa do grupo para o mercado liberalizado), Miguel Stilwell d'Andrade.

As famílias portuguesas podem a partir de janeiro deixar de ter faturas da luz e do gás com tarifas impostas pelo Estado e passar a escolher os preços das várias empresas que estão no mercado livre.

Contudo, a transição não é obrigatória nos próximos três anos, mas deve ser ponderada tendo em conta as alterações sucessivas que a Entidade Reguladora de Serviços Energéticos (ERSE) irá fazer de três em três meses nos preços da luz e do gás, a chamada tarifa transitória que vai prolongar-se até final de 2015.

Miguel Stilwell d'Andrade deixa mesmo uma «nota de tranquilização aos consumidores» e garante que «todos os clientes continuarão a ser fornecidos durante 2013, 2014 e 2015» e sublinha que «podem calmamente esperar para fazerem a passagem para o mercado livre».

«Não há aqui problema nenhum em fazer a passagem nos próximos anos, não é preciso fazê-lo até ao final deste ano», frisou o responsável, explicando que a maior preocupação dos consumidores «é não saber o que vai acontecer».

De acordo com dados da EDP, o ano de 2012 caracterizou-se por «uma procura particularmente acentuada dos canais de atendimento disponibilizados», sobretudo «de forma muito significativa no início de dezembro».

A elétrica registou ainda um aumento dos tempos médios de atendimento, o que combinado com o maior número de atendimentos, «se traduz num aumento expressivo do tempo de trabalho em front-office na ordem dos 52% nas lojas e dos 54% nos contact centers».

Apesar deste aumento se dever igualmente às questões relacionadas com o valor da fatura de energia, prazos e fracionamentos de pagamentos, a empresa salienta «o impacto do crescimento inesperado da procura de fornecimento de energia elétrica em mercado (mais 168% face ao 3º trimestre e mais 109% face ao mês passado)».

A ERSE disponibiliza também informação sobre a transição para o mercado livre no seu portal de internet www.erse.pt, estando a DECO, através de um protocolo com o regulador, a realizar sessões de esclarecimento aos consumidores em todo o país.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 23:12 | comentar | favorito
tags: