Dá 60 mil euros por cadeiras de Ronaldo e Mourinh

Empresário de Singapura está disposto a desembolsar uma considerável quantia pela peça fabricada em Paredes

Um empresário de Singapura está disposto a pagar 60.000 euros pelas cadeiras desenvolvidas em Paredes para Cristiano Ronaldo e José Mourinho, no âmbito do projeto Duets.

Depois, uma empresária brasileira quer comprar a cadeira criada para Maria Bethânia e um banco português já manifestou interesse na cadeira desenhada para Mia Couto.

Fonte do projeto disse esta quarta-feira à Lusa que as propostas estão a ser apresentadas em jeito de pré-licitação no âmbito do leilão que se vai realizar no dia 30, em Lisboa, e cujas receitas reverterão para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Nos casos do jogador e treinador portugueses ao serviço do Real de Madrid, a pré-licitação aponta para 30.000 euros cada.

O Museu do Fado, em Lisboa, também já manifestou interesse na cadeira concebida para Mariza.

António Guterres, que lidera aquele organismo das Nações Unidas, já confirmou a presença no leilão, no mesmo dia em que inaugura, em Paredes, um centro escolar.

O projeto Duets apresenta um conjunto de 11 cadeiras, incluindo uma desenvolvida para o Presidente da República, Cavaco Silva, que foi apresentada em julho no Palácio de Belém, em Lisboa.

A base de licitação de cada cadeira será de 5.000 euros.

No leilão estarão os exemplares desenvolvidos para Aníbal Cavaco Silva, Manoel de Oliveira, Eduardo Souto de Moura, José Ramos Horta, Luciano Benetton, Mia Couto, Mariza, Maria Bethânia, Zalmai, Cristiano Ronaldo e José Mourinho.

A organização do projeto, liderada pelo município de Paredes, convidou para o leilão personalidades ligadas à arte e empresários, para além dos designers e empresários que trabalharam no desenvolvimento e fabrico de cada exemplar.

No caso do Duets, a conceção estilística das peças foi desenvolvida por criativos prestigiados, nacionais e italianos, especificamente para cada uma das personalidades convidadas pela organização, respeitando a sua identidade, cabendo a execução das cadeiras a empresas de mobiliário de Paredes.

De cada cadeira foi realizada uma minissérie de cinco exemplares únicos, numerados e assinados. Um exemplar será para leilão, revertendo as verbas para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

O segundo exemplar ficará para o criativo que concebeu a cadeira, o terceiro para a personalidade que o inspirou e o quarto para a empresa que o construiu. O quinto exemplar ficará para a autarquia de Paredes.

As peças puderam ser apreciadas em Paredes, de 14 de setembro a 18 de novembro, durante a exposição ¿Art on Chairs, um dos projetos do Polo de Design e Mobiliário.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/d

publicado por adm às 23:19 | comentar | favorito