Tarifa social pode diminuir conta da água a metade

As famílias com problemas económicos poderão reduzir para metade o valor pago pela água consumida, se os operadores da sua região optarem pelas recomendações da entidade reguladora e aplicarem uma tarifa social.


"De acordo com os critérios que recomendamos de utilização pelas entidades gestoras de uma tarifa social, (...) as famílias mais frágeis poderão reduzir para metade o valor total da sua fatura", disse à agência Lusa o responsável da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR).

Jaime Melo Baptista estima que cerca de metade dos operadores de abastecimento de água já estará, "de uma forma ou de outra", a utilizar critérios sociais para definir o valor que as famílias com rendimentos baixos pagam por este serviço.

A tarifa social é definida no pressuposto de beneficiar as famílias "mais frágeis" através do não pagamento da componente fixa da tarifa e da aplicação do primeiro escalão, o mais barato, explicou.

Na generalidade dos casos, o que se pretende são tarifas que assegurem a sustentabilidade dos serviços, ou seja, recuperem os custos, mas também tenham em conta a capacidade económica das populações para pagarem esses preços.

"Haverá sempre uma percentagem de famílias, e esse número tem vindo a crescer, numa situação de maior fragilidade, por razões de desemprego ou de muito baixos salários, com dificuldade em pagar um tarifário equilibrado", admitiu melo Baptista.

Num estudo realizado há três anos, a estimativa era que estes casos estariam abaixo dos 10% do total, mas, "neste momento, certamente estará ultrapassado", defendeu.

A ERSAR recomendou que cada entidade gestora defina o critério para a tarifa social, em função das características e da situação social da região, mas "deve estar indexado ao rendimento bruto englobável para efeitos de IRS", e ter em conta um determinado valor, por exemplo, o rendimento mínimo.

A tarifa social deve traduzir-se na isenção dos encargos de valor fixo e num desconto através da aplicação da tarifa do escalão mais baixo, até aos 15 metros cúbicos por mês.

A ERSAR recomenda também a existência de um tarifário familiar em que as tarifas podem ser reduzidas, tendo em conta a composição do agregado.

Os consumidores têm um papel decisivo na poupança de água, com a adoção de pequenos gestos que podem fazer a diferença na fatura a pagar, ao mesmo tempo que contribuem para uma gestão mais sustentável dos recursos hídricos.

O exemplo apontado pela ERSAR refere que, se uma família conseguir reduzir o consumo de água de 15 metros cúbicos para 10 m3 por mês, poupa cerca de nove euros mensais, ou seja, mais de 100 euros por ano.

fonte:http://www.jn.pt/P


publicado por adm às 13:31 | comentar | favorito
tags: