Portugueses poupam menos de metade do que em 1970

Na data em que se comemora o Dia Mundial da Poupança, torna-se importante olhar em frente e perceber como será o próximo ano nesta matéria. Tudo aponta para que a taxa de poupança dos portugueses recupere ligeiramente no próximo ano, mas ainda assim continuará a ser menos de metade das taxas que se registavam nos anos 1970 e 1980.

A taxa de poupança bruta - percentagem do rendimento disponível das famílias que é aforrado - em Portugal foi 9,7% em 2011, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). O Banco de Portugal (BdP) prevê que este ano a taxa desça uma ou duas décimas, recuperando menos de um ponto percentual em 2013, nota a Lusa.

Em 1972, segundo dados do INE e do BdP, a taxa de poupança atingia os 24,8%. Até meados de 1980, a taxa manteve-se acima ou muito perto dos 20%.

Depois da adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia (1986), contudo, começou a haver uma tendência de quebra. Embora o rendimento disponível aumentasse, o consumo aumentava mais rapidamente, e o endividamento também - sobretudo através do recurso generalizado ao crédito à habitação.

Estes fatores limitaram a fatia do rendimento disponível para poupar. No início do século XXI, a taxa de poupança já só estava nos 10,7%. Em 2007, desceu até aos 7%. Apesar de uma recuperação em 2009, continuou a estar abaixo dos dois dígitos.

O BdP prevê que no próximo ano a taxa de poupança suba: «Para além da manutenção de elevados níveis de poupança associada à necessidade de fazer face às amortizações de crédito, as perspetivas de redução do rendimento permanente e a incerteza quanto à evolução das condições no mercado de trabalho deverão induzir uma reavaliação das decisões de consumo, incentivando um aumento da poupança por medidos de precaução». 

Ou seja, o pagamento de créditos e os receios perante o aumento do desemprego farão a taxa de poupança crescer, mesmo num contexto de redução dos rendimentos. Note-se contudo que esta previsão do BdP consta do boletim económico de verão do Banco, divulgado antes de serem conhecidas as medidas do orçamento do Estado para 2013.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 20:27 | comentar | favorito