Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Noticias do momento

Noticias do momento

10
Out12

Construção nacional em décimo lugar do ranking europeu

adm

Portugal manteve, no ano passado, o décimo lugar em volume de vendas das empresas de construção, segundo um estudo da Deloitte que estima um aumento do investimento na ordem dos 0,8% para 2013.

Segundo o estudo European Powers of Construction (EPoC), citado pela Lusa, a tabela de vendas em 2011 foi dominada pela França, Espanha e Reino Unido, com as francesas Vinci e Bouygues e a espanhola ACS a ocuparem os três primeiros lugares.

Grécia, Dinamarca e Polónia posicionaram-se no extremo oposto.

As portuguesas Mota-Engil (29º lugar), Teixeira Duarte (40º) e Soares da Costa (48º) figuram também entre as 50 maiores empresas europeias.

O EPoC estima que o investimento na construção continue a diminuir em 2012 (-1,7% na zona euro e -0,4% nos 27 países da União Europeia), mas admite uma ligeira recuperação em 2013 (0,6% na zona euro e 1,4% na UE27), avançando com estimativas de 0,8% para Portugal.

O estudo prevê um investimento mundial médio anual de 1,6 biliões de dólares (1,2 biliões de euros), até 2030, provenientes sobretudo dos BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), que representam 40 por cento da população mundial e 15 por cento da economia mundial.

Cerca de 374 mil milhões de dólares (289 mil milhões de euros) serão destinados a infraestruturas de transporte, de acordo com o EPoC.

O mesmo documento adianta que a internacionalização tem sido a forma das empresas contornarem a crise no mercado doméstico e noutros mercados europeus, com o volume de vendas internacional a crescer 3% para os 52% em 2011 e reforço da presença no continente americano.

Outra das estratégias tem sido a diversificação em atividades não-construção.

Na análise de Miguel Eiras Antunes, consultor da Deloitte para o sector da Construção, as construtoras portuguesas devem aproveitar as oportunidades emergentes da agenda europeia, manter o foco nos mercados internacionais, sanear financeiramente as empresas e redimensionar o setor, reduzindo o número de empresas.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/e

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D