Comércio: crise deixa rasto de portas fechadas

O pequeno comércio tem sido uma das vítimas mais atingidas pela crise. No primeiro semestre desapareceram cerca de 70 mil postos de trabalho e as falências aumentaram perto de 80%. No Porto, seguindo a associação de comerciantes, a razia foi ainda mais grave.

As medidas de austeridade estão a deixar um rasto de falências sobretudo no pequeno comércio tradicional e de rua.
Os responsáveis temem que a realidade esconda números ainda mais negros, uma vez que há encerramentos que não entram nas estatísticas. O comércio que dá emprego a 650 mil pessoas já perdeu, desde o início do ano, cerca de 70 mil, só no distrito do Porto.

Muitos comerciantes não sobrevivem à crise. São cada vez mais as portas fechadas nas ruas das cidades. E a prova é que as vendas a retalho em Portugal tiveram em agosto a terceira maior queda da União Europeia.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/e

publicado por adm às 23:23 | comentar | favorito