Empresas de inspecção de carros contra custos da nova lei

O novo diploma vai obrigar a novos investimentos e novas reestruturações no sector.

A Associação Nacional das Empresas de Inspecção de Automóveis (ANEIA) alerta que a nova legislação irá criar problemas ao nível da segurança rodoviária e obrigar os centros de inspecção a realizar novos investimentos, incomportáveis para o actual cenário económico.

Uma das alterações prende-se com o alargamento da periodicidade dos veículos pesados, que, após o sexto ano de "vida", são obrigados a fazer inspecção de seis em seis meses. Com a nova legislação (Decreto-Lei n.º 144, de 11 de Julho) a inspecção passa a ser anual. "É a partir do sexto ano que aumenta a sinistralidade devido a erros mecânicos dos veículos. Admiramo-nos muito do facto de o governo estar a alargar o prazo", afirma o presidente da ANEIA, Luís Ferreira.

Outra alteração criticada é a inspecção aos motociclos. Com o novo diploma apenas os motociclos com cilindrada a partir de 250cc são obrigados a fazer inspecção. O responsável relembra que qualquer pessoa com carta de ligeiros pode comprar um motociclo até 125cc sem ter de tirar nova carta de condução, o que provocou, nos últimos anos, um ‘boom' de vendas de ciclomotores e motociclos. Por isso defende que "também as ‘scotter' deveriam ser inspeccionadas. Muitas delas circulam sem respeitarem as regras ao nível técnico". 

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 22:22 | comentar | favorito