Multibanco: Jumbo admite impor limites

O grupo Auchan, proprietário dos hipermercados Jumbo, admite seguir os passos do Pingo Doce e vir a impor limites nos pagamentos com cartão, se as taxas não baixarem. Mas não avança para já.

Pingo Doce decidiu deixar de aceitar pagamentos com cartões Multibanco e de crédito em compras de valor inferior a 20 euros, uma medida que deverá permitir uma poupança anual para a cadeia de supermercados a rondar os cinco milhões de euros, segundo o «Público».

«De momento não está a ser equacionada medida similar», disse fonte oficial do grupo Auchan em resposta a questões colocadas pela agência Lusa. «Continuaremos a defender a redução do peso das comissões, pois nunca aceitaremos aumentar os preços dos produtos aos clientes para suportar o peso daquelas comissões bancárias». 

No entanto, caso não consiga uma redução até ao nível necessário, «provavelmente a prazo não nos restará outra alternativa que não seja pedir aos clientes para substituírem o pagamento em cartão por pagamento em dinheiro, pelo menos até um determinado limite», admitiu.

À Agência Financeira, a Jerónimo Martins esclarece que a decisão vem na sequência de uma tentativa de «identificar na esrutura de custos oportunidades de poupança, que possa ser transferida para os clientes».

Os clientes serão avisados por panfletos, a distribuir nas 371 lojas da marca.

A medida está a gerar algumas reações por parte dos consumidores, que estão descontentes. «Claro que pode causar algum incómodo», admite a fonte oficial da Jerónimo Martins. «Mas há caixas Multibanco em quase todas as nossas lojas, o que minimiza esse incómodo. A nossa rede está muito bem coberta», garante.

Uma das questões levantadas é que esta medida poderia travar o uso dos cartões-refeição, adotados por cada vez mais empresas. «Não, esta é uma medida que afeta só cartões de crédito e débito. Os outros cartões, os euro tickets e os tickets refeição continuam na mesma», garante a empresa.

Já o Lidl não quis pronunciar-se sobre a possibilidade de impor limites aos pagamentos com cartão, mas admitiu que 
«as comissões cobradas pela utilização de pagamento eletrónico são sem dúvida muito elevadas».

Quem já reagiu também foi a Unicre, que garante estar a esforçar-se por baixar as taxas.

APED teme que outros sigam o exemplo

Em declarações à Lusa, a diretora-geral da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), Ana Trigo Morais considerou que as taxas cobradas nas transações com cartões de multibanco aos retalhistas em Portugal «são muito elevadas» e revelou que, nos últimos quatro anos os associados da APED pagaram 318 milhões de euros em taxas de custo de pagamento.

SIBS acusa o Pingo Doce de prejudicar o conforto dos clientes e a segurança.

Já a confederação do setor, a CCP, concorda que as taxas são elevadas e diz que é preciso reajustá-las para que outros não sigam o exemplo do Pingo Doce.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 22:44 | comentar | favorito