Nespresso: tribunal alemão deixa vender cápsulas compatíveis

Um tribunal alemão rejeitou esta quinta-feira o pedido da gigante alimentar suíça Nestlé para proibir a venda na Alemanha de cápsulas de café produzidas por outra empresa que são compatíveis com as suas máquinas.

O tribunal regional de Dusseldorf, segundo a agência AP, rejeitou o pedido de providência cautelar da Nespresso contra duas empresas rivais suíças que vendem cápsulas de café mais baratas com a informação no rótulo de que são «compatíveis com as máquinas Nespresso», cita a Lusa.

Segundo o tribunal, embora a subsidiária da Nestlé Nestec tenha a patente para as máquinas Nespresso e ambas (Nestlé e Nestec) as licenças para a produção das cápsulas de café originais, um consumidor não infringe a lei se usar cápsulas fabricadas por outras entidades nas máquinas do grupo suíço

Embora as cápsulas sejam essenciais para fazer café nas máquinas, não são a parte funcional central das máquinas, argumentou o tribunal.

No mês passado, a Nestlé perdeu uma providência cautelar contra a venda de cápsulas de café biodegradáveis pela suíça Ethical Coffee Company (ECC), que são compatíveis com as máquinas Nespresso.

Também em Portugal os hipermercados Continente estão a vender cápsulas de café da Brown que são «compatíveis com as máquinas da Nespresso», como é referido na embalagem.

Na altura, contactada pela Lusa, fonte oficial da Nespresso disse que apenas poderia garantir «o perfeito funcionamento das suas máquinas» com as cápsulas da marca.

Questionada sobre se iria avançar com algum processo, a Nespresso apenas confirmou que tinha dado «início a ações legais noutros mercados, de forma a defender aquilo que considera ser a sua propriedade industrial».

Por sua vez, o Continente esclareceu que o lançamento do café em cápsula nos hipermercados «está em conformidade com os direitos de propriedade intelectual previstos por lei».

De acordo com a Associated Press, as cápsulas de café representaram receitas de 2,5 mil milhões de euros para a Nestlé no ano passado.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 22:37 | comentar | favorito