Trabalhadores acusam Pingo Doce de violar contrato colectivo de trabalho

Os trabalhadores dos supermercados Pingo Doce, detidos pelo grupo Jerónimo Martins, estão a acusar a empresa de introduzir alterações do horário de trabalho que violam o contrato colectivo de trabalho (CCT) negociado com a representante do sector, Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição.

Em declarações ao Económico, o dirigente sindical do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), José Monteiro, explicou que o Pingo Doce "está a alterar o horário de trabalho, que já configura trabalho suplementar, mas que não está a ser pago". José Monteiro referiu que a empresa está a adoptar o regime de adaptabilidade, mas não está a cumprir com a compensação que deve corresponder a um período máximo de oito semanas.

Outro ponto que o CESP crítica resulta de a cadeia de supermercados não ter comunicado as alterações com a antecedência mínima de trinta dias, além de "os dirigentes sindicais não estão a ser consultados sobre estas alterações, tal como está definido no CCT", acusa a mesma fonte. José Monteiro afirma que os trabalhadores tiveram conhecimento destas alterações esta semana.

No comunicado que está a ser distribuído nas lojas, o Pingo Doce informa os trabalhadores que "as escalas vão mudar e algumas secções vão passar a usar adaptabilidade, possibilidade de fazer mais horas num dia e menos noutro, tudo previsto em horário".

O dirigente da CESP salienta que a empresa está a aproveitar as alterações ao código do trabalho para avançar com estas mudanças no horário.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 23:19 | comentar | favorito