Um em cada cinco portugueses vivem em privação material

Um em cada cinco portugueses viveram, em 2011, em «privação material» e 8,3 por cento em condições «muito severas», revela esta sxeta-feira o Inquérito às Condições de Vida e Rendimento do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os indicadores de privação material baseiam-se em nove itens representativos das necessidades económicas e de bens duráveis das famílias, como não ter capacidade para pagar de imediato uma despesa inesperada, atrasos nos pagamentos de prestações ou despesas correntes, não poder fazer uma refeição de carne ou de peixe de dois em dois dias ou não ter eletrodomésticos ou telefones.

A intensidade da privação material corresponde às situações em que não existe acesso a pelo menos três destes nove itens, enquanto a privação material severa corresponde às situações em que não existem acesso a pelo menos quatro indicadores.

Em 2011, 20,9% dos residentes em Portugal viveram em privação material, uma diminuição face a 2010 (22,5%).

No mesmo ano, 8,3% da população residente enfrentou uma situação de privação material severa, vivendo em agregados familiares sem acesso a quatro ou mais indicadores.

Com base na taxa de sobrelotação da habitação, que compara o número de divisões disponíveis com a dimensão e composição da família, estima-se que 11% dos portugueses «viveram com insuficiência de espaço habitacional em 2011», refere o relatório, citado pela Lusa.

Já quatro por cento dos portugueses confrontaram-se com «condições severas de privação habitacional» em 2011, como más condições ou falta de instalações de higiene, luz natural insuficiente ou problemas de humidade do alojamento.

De acordo com o inquérito, 7,2% da população viveu em agregados com sobrecarga das despesas em habitação, tendo sido a «carga mediana das despesas em habitação de 11,7% em 2011», superior à registada em 2010 (10,4%).

A carga mediana das despesas em habitação e a taxa de sobrecarga das despesas em habitação são indicadores baseados no rácio entre as despesas anuais com a habitação e o rendimento disponível das famílias.

O documento aponta ainda que a proporção da população com menos de 60 anos que vivia em agregados familiares com intensidade laboral per capita muito reduzida foi de 8,2% em 2010 (8,6% em 2009).

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/e

publicado por adm às 22:08 | comentar | favorito
tags: