Mercedes e BMW negam vendas «artificiais»

A Mercedes e a BMW negaram esta sexta-feira que estejam a fazer vendas «artificiais» no mercado português, recusandoacusações da Peugeot de que estariam a matricular carros em Portugal e rapidamente exportavam para outros países com quilómetros zero.

André Silveira, porta-voz da Mercedes- Benz Portugal, afirmou à Lusa que a marca alemã, «como importador e distribuidor para o território nacional, exportou zero viaturas em 2012», sendo que o único registo de exportação da Mercedes «foi efetuado por um concessionário a pedido do cliente».

Já João Trincheiras, responsável pela comunicação da BMW Portugal, nega que a marca premium esteja a matricular carros em Portugal e a exportar: «Não exportamos carros com quilómetros zero», refere, acrescentando que exportaram durante este ano «cerca de 200 automóveis, mas com cerca de nove meses e provenientes das redes de rent-a-car».

Na quinta-feira, em entrevista à Lusa, o diretor geral da Peugeot Portugal considerou «estranho» que algumas marcas consigam superar as vendas do ano passado, desconfiando de «algum artificialismo» como a introdução dos carros em Portugal e imediatamente exportados.

Alfredo Amaral referiu não entender que «haja um crescimento das marcas especialistas [BMW, Mercedes e Audi] que, no seu conjunto, representam mais cinco pontos percentuais de quota de mercado relativamente ao ano passado».

O diretor geral da Peugeot duvidava se «por detrás destas vendas não existirá algum artificialismo», ou seja, «se esses carros são verdadeiramente introduzidos no consumo em Portugal ou se parte são imediatamente exportados», subvertendo os dados das vendas em Portugal.

Tanto a Mercedes como a BMW referem não entender o comentário de Alfredo Amaral, reconhecendo que ambas aumentaram a sua quota de mercado em 2012, mas com uma «relação direta com o desempenho atual de vendas e a situação geral do mercado».

Para André Silveira, «caso seja necessária alguma consulta sobre dados de vendas das marcas automóveis, estas encontram-se disponíveis ao público em geral, sendo possível a sua consulta no portal da Associação Automóvel de Portugal (ACAP)». O responsável acrescenta sugere ainda «a consulta dos dados de exportação das marcas automóveis igualmente junto da ACAP», no que diz respeito à exportação de viaturas para o estrangeiro.

O representante da Mercedes-Benz adianta que as acusações do diretor geral da Peugeot é genérica e «iguala a Mercedes a outras marcas e não especifica realmente os dados de exportação, que são públicos, incluindo as exportações da Peugeot para a Bélgica».

Contactados os responsáveis da Audi, representada em Portugal pela SIVA, escusaram-se a fazer comentários.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 22:01 | comentar | favorito