Miguel Cadilhe contra alargamento do cortes de subsídios ao sector privado

"Tornou-se imprescindível, urgente e um acto de muita coragem política" cortar na despesa, defende antigo ministro.

O antigo ministro das Finanças Miguel Cadilhe não concorda com a possibilidade do alargamento de cortes dos subsídios ao sector privado.

Em entrevista à Renascença, Miguel Cadilhe afirma que “não veria bem” a criação de mais uma sobretaxa para compensar o veto do Tribunal Constitucional ao corte dos subsídios de férias e Natal dos funcionários públicos e pensionistas.

Para Miguel Cadilhe, o Governo tem de apostar no corte da despesa, o que não tem sido feito até ao momento.

“Isso tem de ser compensado com medidas correntes, sobretudo desejo que sejam do lado da despesa e desejo que tenham carácter estrutural. Quanto mais tarde o Governo for por aí pior e, agora, esta deliberação do Tribunal Constitucional vem mostrar que o Governo tem de passar o mais rapidamente possível a medidas desse teor. É preciso é coragem política e eu confesso que tenho visto muito muito pouco o Governo a actuar nessas áreas.”

O antigo ministro adverte que os cortes do lado da despensa “são medidas que também são dolorosas”.

“Olhe à sua volta e veja instituições públicas, serviços públicos, direcções-gerais, repartições, institutos públicos, observatórios, comissões, fundações, gabinetes, etc… tudo pendurado no Orçamento do Estado, e admito que muito do que aí está pode ser reduzido ou até eliminado. Não tenho dúvidas de que essa frente é, agora, primordial. Tornou-se imprescindível, urgente e um acto de muita coragem política”, desafia Miguel Cadilhe.

fonte:http://rr.sapo.pt/in

publicado por adm às 08:23 | comentar | favorito