Médicos estão a prescrever medicamentos que não há nas farmácias

A base de dados dos médicos não corresponde aos fármacos disponíveis no mercado, denunciaram hoje médicos e farmacêuticos.

Os médicos estão a prescrever electronicamente aos utentes medicamentos que não existem nas farmácias, porque a base de dados utilizada por estes profissionais não corresponde à realidade dos fármacos disponíveis no mercado, denunciaram hoje médicos e farmacêuticos.

Num comunicado conjunto da Ordem dos Médicos (OM) e da Associação de Farmácias de Portugal (AFP), no qual são expressas diversas preocupações, estes profissionais relatam a existência de uma "diferença entre a informação das bases de dados dos princípios activos a que os médicos e os farmacêuticos têm acesso no respectivo software".

"A base de dados utilizada para a prescrição electrónica não corresponde à realidade dos fármacos e respectivos preços efectivamente disponíveis no mercado e, por consequência, nas farmácias", afirmam no comunicado.

Segundo a OM e a AFP, trata-se de um problema que o INFARMED não consegue resolver, pois "não uniformiza a informação que disponibiliza aos diferentes níveis da cadeia de valor do SNS" (Serviço Nacional de Saúde).

O que acontece, então, é que o médico tem acesso a informação de fármacos que obtiveram a devida Autorização de Introdução no Mercado (AIM), mas que o laboratório não produziu nem disponibilizou no mercado.

"O resultado é que há muitos utentes a dirigirem-se às farmácias para adquirirem medicamentos prescritos que não existem à venda nas farmácias, ou cuja forma farmacêutica não corresponde àquela a que o médico teve acesso no momento da prescrição", explicam.

Esta situação, agravada pela "rigidez imposta pelas novas regras da receita electrónica", está a gerar confusão e problemas para os profissionais e utentes, afirmam os responsáveis, alertando ainda que é nas farmácias -- último elo da cadeia -- que o utente "mais facilmente descarrega a sua revolta perante a comprovada ineficiência do sistema.

Por outro lado, as farmácias estão a ser penalizadas com "avultados prejuízos", em termos de facturação, já que as receitas médicas são consideradas incorrectas pelo Centro de Conferências Nacional do SNS, que as devolve sem o devido pagamento da parte relativa à comparticipação do Estado, acrescentam.

Outra preocupação revelada por médicos e farmacêuticos tem a ver com risco de aumento da automedicação motivada pelo aumento das taxas moderadoras e pelo preço "anormalmente baixo" a que chegaram alguns medicamentos.

Para estes profissionais, "o impacto previsível de uma política do medicamento exclusivamente financeira, com a procura insana e obsessiva de cortar nas despesas do Estado, sem preocupação com as consequências negativas a vários níveis, só contribuirá para aumentar ainda mais a actual ineficiência do sistema".

fonte:http://economico.sapo.pt/no

 

publicado por adm às 21:39 | comentar | favorito
tags: