Retalhistas antecipam mais subidas de preços com nova taxa alimentar

Taxa varia entre cinco e oito euros e recai sobre as lojas com mais de dois mil metros quadrados.

A entrada em vigor, no último sábado, da nova Taxa de Saúde e Segurança Alimentar, que será paga pelas cadeias de distribuição com mais de dois mil metros quadrados, poderá ter como principal efeito o aumento do preço dos alimentos. É esta a convicção da directora-geral da Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição (APED), Isabel Trigo de Morais, que defende que a medida "recai não só sobre os associados da APED, mas também sobre todos os consumidores e no preço final dos alimentos".

O eventual aumento do preço dos alimentos poderá juntar-se ao agravamento que os consumidores já estão a sentir, desde o início do ano, com a alteração da taxa de IVA em alguns bens. Um estudo da Kantar Worldpanel, avançado pelo jornal "Público", conclui que, no primeiro trimestre, a factura do supermercado cresceu em valor face ao mesmo período do ano passado, com o preço médio a subir 5,8%, enquanto o volume de compras caiu 0,4%.

Para a responsável da associação que reúne marcas como Continente e Pingo Doce, o País já está a enfrentar um contexto económico de "grandes dificuldades, com fortes penalizações sobre o rendimento e restrição do consumo das famílias", e a taxa será mais um constrangimento para o sector. Isabel Trigo de Morais não tem dúvidas que "uma nova taxa de saúde e segurança alimentar é uma medida que terá impactos muito negativos na competitividade e dinamização da economia nacional, prejudicando sobretudo os consumidores mas também todo o sector do retalho".

fonte:http://economico.sapo.pt/n

publicado por adm às 08:26 | comentar | favorito