Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Noticias do momento

Noticias do momento

17
Mai12

Há famílias portuguesas a dividir casas arrendadas

adm

O presidente da Associação dos Profissionais de Empresas de Mediação Imobiliárias (APEMIP) disse esta quinta-feira que há famílias portuguesas a partilhar casas arrendadas em Lisboa e no Porto, que nem o admitem por vergonha.

«Tem surgido um fenómeno que nos surpreendeu. Há famílias a dividir casas, cada uma fica com um quarto», relatou Luís Lima. Essa situação tem-se registado em Lisboa e no Porto e as pessoas, ao fazerem o contrato, não assumem a divisão da casa «por terem vergonha».

A situação é justificada por Luís Lima por a procura estar a aumentar e a oferta se manter no mercado de arrendamento, fazendo com que os preços não baixem: «Num inquérito da APEMIP, as pessoas admitiam estar a pagar pela casa muito acima daquilo que deviam, mas não têm outra hipótese», disse à Lusa.

Outro «fenómeno com cerca de um ano» são jovens a casar e a continuar em casa dos pais perante a falta de dinheiro para se mudarem.

Para o presidente da associação, deveriam existir medidas excecionais como juntar fundos de desemprego a apoios para a habitação e não aumentar impostos, por exemplo, para imóveis devolutos.

No dia em que decorre a conferência «Reabilitação Urbana e Arrendamento: oportunidades do novo regime jurídico», promovida pela APEMIP em Lisboa, Luís Lima lamentou o atraso na aprovação do novo quadro legal para estas áreas.

«A cada dia que passa há empresas que fecham e mais pessoas no desemprego no setor do imobiliário. Se tinha previsto uma situação de pré-colapso, agora já passou para colapso», garantiu o responsável da APEMIP.

Para a nova lei ter sucesso, Luís Lima referiu duas medidas essenciais: garantir o rápido despejo de inquilinos incumpridores e a existência de uma taxa liberatória.

Lembrando a previsão de um despejo célere nas propostas de reforma da lei do arrendamento urbano, o responsável referiu dar «o benefício da dúvida», defendendo que após um ano se devem avaliar os efeitos com vista a possíveis ajustamentos.

Acerca da taxa liberatória, percentagem tributada em sede do IRS, Luís Lima admite a hipótese avançada de igualar os rendimentos no setor imobiliário aos financeiros: 25%.

No entanto, afirmou, idealmente a nível do imobiliário deveria ser «50% abaixo do valor tributado» nos rendimentos financeiros.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D