Subida de taxas moderadoras leva portugueses aos hospitais privados

No primeiro trimestre, os hospitais públicos registaram uma quebra nos atendimentos das urgências. Já o sector privado verificou um aumento de 15% nas urgências.

O aumento das taxas moderadoras está a levar a uma transferência de doentes das urgências dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) para os privados. No primeiro trimestre, enquanto os hospitais públicos realizaram menos 6,7% atendimentos, o sector privado registou um acréscimo de utentes de 15% nas urgências. O maior número de atendimentos nos hospitais privados foi revelado ao Diário Económico pela Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), que atribui esta evolução ao aumento do preço a pagar pelos cuidados de saúde no SNS.
"Verificamos um aumento de 15% nas urgências dos hospitais do sector privado e resulta da subida das taxas moderadoras e da abertura de novas unidades privadas que motivaram um crescimento da procura", avançou ao Diário Económico Teófilo Leite, presidente da APHP, realçando que "em alguns casos é mais vantajoso recorrer aos hospitais privados nas urgências, como nos casos de convenções com a ADSE ou com a GNR e PSP". Segundo este responsável, a manter-se, até ao final de 2012, esta tendência de crescimento "a previsão é terminar este ano com perto de dois milhões de atendimentos na urgência [dos privados]". Um aumento de 250 mil face aos mais de 1,7 milhões de atendimentos em 2011.

Os números revelados por esta associação - que integra 70 unidades privadas das cerca de cem existentes no País -, contrapõem com os dados oficiais do Ministério da Saúde que concluem por uma diminuição de atendimentos, em igual período, nos hospitais públicos e nos Serviços de Atendimento Permanente (SAP) dos centros de saúde: realizaram, respectivamente, menos 114 mil urgências e menos 242 mil atendimentos.

O afastamento dos utentes do SNS e a sua transferência para o sector privado confirma agora o que diversos especialistas e os partidos da Oposição anteciparam no final de 2011, com o anúncio do aumento das taxas moderadoras para este ano, a face mais visível da ‘troika' no SNS. 

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 21:39 | comentar | favorito