Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Noticias do momento

Noticias do momento

10
Mai12

Crise leva ao abandono da Internet

adm

O acesso à Internet continua a crescer em Portugal, mas há um senão: 3,9 por cento da população que já teve «ligada» acabou por desistir em 2011. A conclusão é do estudo sobre Sociedade em Rede do Observatório da Comunicação (Obercom) que, pela primeira vez, recolheu dados sobre o abandono da Internet.

As razões económicas são um dos motivos - e o principal para a grande parte dos desempregados que já desistiram de visitar a Net. Estes representam, alías, o grupo que mais abandonou a «rede» no ano passado: 8,4% deixaram de ser utilizadores. E a diferença entre os desempregados que visitam a «World Wide Web» e os que nunca fizeram é dimituta: 49,6% utilizam versus42% que nunca o fizeram.

Mas há mais motivos: falta de interesse ou com a noção de que a Internet não lhes é útil (38,9%), a iliteracia digital (34,9%) e a falta de acesso a computador ou Internet (9,1%). As razões económicas são justificação para 8,5% dos ex-utilizadores.

No entanto, os «desistentes» são os que mais reconhecem que o uso desta tecnologia «contribui para uma melhoria do nível de vida»: 89,6% concordam com esta afirmação, contra os 85,2% dos atuais cibernautas.

O cenário de crise vivido em 2011 agravou, ainda, as perspetivas dos portugueses sobre a possibilidade de virem a usar a Internet: a resposta «não, nunca» foi claramente a mais votada (63,6%) em 2011 e aumentou face a 2010 (55,5%). Já o «sim» foi respondido por apenas 6,5% dos inquiridos, uma ligeira descida face ao ano anterior, quando 7,6% deram esta resposta. 

Certo é que, para já, quase metade dos portugueses não utiliza ou nunca utilizou a Internet (47,1%)

Já em relação aos utilizadores da Net, destaque para os quadros superiores (100%), profissionais liberais (100%), profissões técnicas, científicas e artísticas (98%), estudantes (97,4%) e empregados de escritório (90,2%). Também são os homens os maiores fãs do «online», com 54,3% a serem utilizadores, contra os 44,2% das mulheres. 

Neste campo, as redes sociais destacam-se no estudo. OFacebook é o que conquista mais adeptos (97,3% dos que utilizam redes sociais têm perfil criado nesta rede), seguido pelos programas de Instant Messaging.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D