Está aberta a guerra das promoções mas o preço não é tudo

Especialistas em marketing dizem que, mesmo em crise, o preço não é o único factor de diferenciação das marcas.

A corrida aos descontos de 50% em compras superiores a 100 euros no Pingo Doce lançou a questão: será que, em tempos de crise, o preço vale mais do que qualquer outra estratégia de marketing? Os especialistas garantem que não, mas o certo é que os acontecimentos deste 1º de Maio abriram uma guerra de preços e a concorrência já está a preparar formas de "retaliação".

Em Portugal, o consumidor é tradicionalmente sensível ao "factor preço", mas a crise tem vindo a acentuar esta característica. As cadeias de distribuição alimentar, que sempre foram as mais atentas a esta realidade, parecem agora dispostas a passar para um novo nível de concorrência.

"O Pingo Doce abriu um precedente que veio ditar novas regras no mercado e vai obrigar os seus concorrentes a fazerem o mesmo", diz Carla Guedes, do Reputation Institute.

O pressuposto da especialista em reputação de marcas não tardou a confirmar-se: ainda ontem, ao final da tarde, o Espírito Santo Investment Bank, unidade de ‘research' do Banco Espírito Santo de Investimento, divulgava que tinha obtido da Jerónimo Martins a informação de que está a preparar novas promoções semelhantes, enquanto a Sonae (dona do Continente) afirmava estar preparada para responder no sentido de defender a sua quota de mercado.

fonte:http://economico.sapo.p

publicado por adm às 08:25 | comentar | favorito