Falências de famílias quase triplicam e representam 60% dos processos

Dados da Justiça revelam um máximo histórico de 5.753 falências de famílias em 2011.

Os níveis de insolvências decretadas pelos tribunais judiciais em Portugal, em 2011, atingiram um máximo histórico, totalizando 10.262 processos. Os particulares são os mais afectados, em consequência do desemprego e das medidas de austeridade, com o número de famílias falidas a ultrapassar o das empresas nessa situação: foram declaradas insolventes 5.743 famílias e 4.519 empresas. Os processos de pessoas singulares são duas vezes e meia mais do que em 2010 (2.251)

Este é o balanço oficial do Ministério da Justiça, de acordo com os últimos dados publicados no final de Abril, onde se conclui que desde o início da crise, em 2007, as falências decretadas pelos tribunais quase quadruplicaram, passando de 2.612 para 10.262.

Para este novo nível histórico contribuíram os valores recorde registados no último trimestre do ano com os tribunais a declararem a insolvência a 1.904 famílias, quase três vezes mais do que o valor registado no período homólogo de 2010 (766 processos), e a falência de 1.255 empresas. O peso das pessoas singulares do total das insolvências decretadas é já 60,1%, quase três vezes mais que as 125 famílias declaradas insolventes há quatro anos (no segundo trimestre de 2007). Há quatro anos, as famílias na falência pesavam apenas de 17,8% no total de processos.

fonte:http://economico.sapo.pt/n

publicado por adm às 08:21 | comentar | favorito
tags: