Fundador do BE Miguel Portas morreu hoje ao fim da tarde

Miguel Portas faleceu esta tarde, aos 53 anos, vítima de cancro do pulmão, e de acordo com um comunicado assinado pelo Bloco de Esquerda "encarou a sua própria doença como fazia sempre tudo, da política ao jornalismo: de frente e sem rodeios".

Nesta nota da Comissão Política do BE lê-se ainda que Miguel Portas "teve uma vida intensa e viveu-a intensamente. Durante toda a sua doença continuou sempre a cumprir as suas responsabilidades e estava, neste preciso momento, a preparar o relatório do Parlamento Europeu sobre as contas do BCE."

Em declarações à SIC Notícias, o historiador Fernando Rosas deu conta da determinação de Miguel Portas tanto na política como na sua vida pessoal: "Achou que a mudança era possível assim como achou que era possível vencer esta doença".

João Semedo, deputado do Bloco de Esquerda, também em declarações à SIC, deixou um testemunho emocionado dizendo que "o património do Miguel não morre com ele. No Bloco, na Esquerda, deixa um património não apenas de luta mas também de amizade e sobretudo de ideias".

A nota da Comissão Política do Bloco de Esquerda é acompanhada de notas biográficas de Miguel Portas, onde se lê que o "fascínio pelas culturas do mediterrâneo levou-o a viajar e a conhecer profundamente esta região, sobre a qual escreveu dois livros e realizou um documentário."

Licenciado em Economia, pela Instituto Superior de Economia e Gestão, em 1986, enveredou pela carreira de jornalista, passou pelo Expresso, foi repórter da revista Vida Mundial, além de cronista no Diário de Notícias e no semanário Sol.

Detido pela PIDE aos 15 anos pela participação no Movimento Associativo dos Estudantes do Ensino Secundário de Lisboa, aderiu à União dos Estudantes Comunistas do PCP (1973), chegando à Comissão Central um ano depois.

Presidiu à Associação de Estudantes do Instituto Superior de Economia e coordenou o Secretariado da Reunião Inter-Associações. Abandonou o PCP em 1989, na sequência do primeiro processo de expulsões do partido desencadeado pela Perestroika. Entre 1990 e 1991 foi assessor do presidente da Câmara Municipal de Lisboa para as questões culturais e urbanísticas.

Foi um dos fundadores da Plataforma de Esquerda, dissolvida dois anos depois.

Em 1994 cria a Política XXI, que agrupava membros da Plataforma de Esquerda, do MDP e independentes das manifestações contra às propinas no ensino superior. A Política XXI foi uma das formações, juntamente com PSR, UDP e independentes, que deu origem ao Bloco de Esquerda (BE), em 1999.

No BE foi cabeça de lista às eleições europeias, em 1999, obtendo 1.74% dos votos e candidato à Câmara Municipal de Lisboa, em 2001. Foi eleito ao Parlamento Europeu, em 2004, com 4.92% e reeleito, em 2009, com 10.73%, elegendo três eurodeputados. É membro da Comissão de Orçamento e vice-presidente Comissão Especial do Parlamento Europeu para a Crise Financeira, Económica e Social.

Miguel de Sacadura Cabral Portas nasceu em Lisboa a 1 de Maio de 1958, filho do arquitecto Nuno Portas e da economista Helena Sacadura Cabral. É irmão de Paulo Portas e de Catarina Portas. Miguel Portas faleceu hoje ao final da tarde vítima de cancro no pulmão, doença que lhe tinha sido diagnosticada em 2010.

fonte:http://noticias.sapo.pt/n

publicado por adm às 22:04 | comentar | favorito