Imóveis: IMI quintuplica para proprietários

A Associação Nacional de Proprietários (ANP) considerou esta segunda-feira que os valores da avaliação de imóveis em Portugal são «proibitivos» e garantiu que, com a atual fórmula do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), os proprietários vão pagar sete vezes mais do que pagaram o ano passado, estimando-se a média dos «pavorosos aumentos de IMI à volta do quíntuplo» do pago anteriormente.

«Os proprietários repudiam firmemente a voracidade fiscal que agravou o IMI para o triplo, em andares considerados devolutos, muitos deles à espera que o proprietário reúna os fundos necessários à sua reabilitação, depois de longas dezenas de anos de ocupação por inquilinos de rendas ridículas, e afirmam que quanto maior for a penalização mais descapitalizado fica o senhorio e cada vez tem menos possibilidades monetárias para fazer obras», diz a ANP num comunicado enviado às redações.

Governo está a ir «além da troika»

A mesma Associação adiantou que não basta «reclamar dos valores apurados». É preciso «alterar a fórmula e a diminuição das taxas», que estão na origem dos «valores exorbitantes» que, a não serem anulados, «vão conduzir os proprietários diretamente à ruína e posterior confisco dos seus imóveis».

No documento, a ANP assegurou ainda que o Memorando de entendimento prevê «o incremento das receitas de IMI em 250 milhões de euros (cerca de 25%)», sendo que «neste imposto, o Governo está a ir muito além da troika».

Os proprietários pedem agora «mais justiça e harmonização no IMI» que deve significar que os prédios anteriormente avaliados «desçam para valores razoáveis, equivalentes aos apurados numa avaliação geral do património que tenha em conta a realidade do imobiliário em Portugal, assim equilibrando o que cada proprietário paga por andares similares».

Mas o que está a acontecer é «o aumento generalizado: os anteriormente avaliados pelas regras do Código do Imposto Municipal sobre Imóveis (CIMI), que já pagavam muito, vão passar a pagar ainda mais. Vão ser aumentados automaticamente em 25% (a taxa passa de 0,4% para 0,5%), isto é: se pagavam 1.000 euros com a taxa anterior de 0,4% vão passar a pagar 1.250 euros pela taxa futura de 0,5%», exemplificou a Associação.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 23:05 | comentar | favorito