Acidentes de viação custam 2.500 milhões por ano

Os acidentes de viação têm um custo económico e social. Imagina de quanto? Pois segundo um estudo que será apresentado esta terça-feira, tiveram, entre 1996 e 2010, um custo anual médio à volta dos 2.500 milhões de euros. 

Na verdade, o estudo «O custo económico e social dos acidentes de viação em Portugal», a que agência Lusa teve acesso, mostra que o valor total dos acidentes rodoviários nesse período foi de cerca de 37.549 milhões de euros, o que representa cerca de 1,64% da produção em Portugal ao longo dos 14 anos em análise.

Neste contexto, os autores do estudo, Arlindo Donário e Ricardo Santos, investigadores da Universidade Autónoma de Lisboa (UAL), estimam um valor médio anual do custo económico e social dos acidentes de viação de cerca de 2.500 milhões de euros, o que significa cerca de 1,54 %, em média, do Produto Interno Bruto (PIB) português de 2010.

Para este balanço, contribuíram 35% dos acidentes com vítimas mortais, 20% dos acidentes com feridos graves e os 45% respeitantes aos desastres com feridos ligeiros, adianta o documento, encomendado à UAL pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

O valor médio anual dos acidentes rodoviários foi estimado tendo em conta a perda de produção dos mortos e feridos, que representou 40%, e os danos nos veículos, intervenção direta de entidades fiscalizadoras e honorários pagos a advogados, além dos custos hospitalares, de transportes, de peritagens, com seguros, custas judiciais, funcionamento dos tribunais e com a segurança ou prevenção rodoviária, que anualmente custaram cerca de 1.245,6 milhões de euros.

O estudo concluiu também que o custo económico e social anual médio por acidentes com vítimas, entre mortos e feridos, anda à volta dos 60 mil euros.

Já o custo económico e social anual médio por acidente com vítimas mortais chega a 735 mil euros. O custo relacionado com acidentes com vítimas mortais ronda os 121 mil euros e com feridos ligeiros atinge os 32 mil euros.

A análise mostra que o custo social anual dos acidentes rodoviários com vítimas mortais diminuiu entre 1996 e 2010. A exceção foi 2007, o que se refletiu numa descida do peso do custo, tendo passado de cerca de 41% em 1996 para cerca de 24% em 2010.

A descida do custo também se verifica com os feridos graves, que passaram de 30% em 1996 para cerca de 14% em 2010. Ainda assim, as despesas com os feridos ligeiros cresceram, passando de 30% para 61% em 2010.

Os autores salientam o aumento da contribuição dos feridos ligeiros para o custo global dos acidentes em Portugal.

A construção de autroestradas e as medidas políticas, nomeadamente as alterações do Código da Estrada, que agravaram as sanções pecuniárias e obrigaram ao pagamento imediato após verificada a infração contribuíram, pela positiva, para a diminuição do número de acidentes.

Os autores sustentam ainda que a crise económica que tem afetado o país nos últimos anos (pelo menos desde 2007) é «significativa no que toca à diminuição do número de mortos e feridos graves», mas não influenciou a evolução do número de feridos ligeiros durante o período em análise.

E tanto a crise como as políticas de «tolerância zero» explicam a evolução do total de vítimas, bem como das diferentes tipologias de vítimas no que toca aos acidentes rodoviários em Portugal.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/e

publicado por adm às 23:16 | comentar | favorito