Como colocar o seu IRS a ajudar os que mais precisam

Ser solidário pode ser vantajoso em termos fiscais. Saiba como.

Em tempos difíceis multiplicam-se as actividades das instituições de solidariedade social para a angariação de fundos que se destinam a ajudar os que mais precisam. Tradicionalmente, os portugueses mostram-se solidários com estas causas e contribuem para elas, apesar da crise financeira instalada.

O que algumas pessoas desconhecem é que ser solidário pode ser também vantajoso em termos fiscais. Isto porque o fisco aceita os donativos prestados a este tipo de instituições. Assim, se no ano passado fez algum donativo poderá declarar até 25% do valor doado. No entanto, os montantes estão limitados até 15% do valor da colecta total do contribuinte. A excepção a esta regra é quando o donativo é feito ao Estado. Neste caso, teoricamente, não há um limite dos montantes que podem ser apresentados. Apesar disso, na prática, existem limites. Isto porque os donativos são declarados como benefício fiscal. E como os benefícios fiscais têm actualmente um tecto máximo de 100 euros, isto significa que este é o valor máximo que poderá deduzir com donativos na sua declaração de IRS.

Assim os contribuintes deverão guardar um comprovativo deste donativo, que poderá ser um recibo com a descrição do montante doado e o modo de pagamento. Estes donativos deverão ser declarados no quadro 7 do Anexo H da sua declaração de IRS.

Se não fez donativos, ou se não guardou os recebidos dos valores doados, fique a saber que ainda vai a tempo de colocar o seu IRS a trabalhar a favor dos outros. Ao preencher a sua declaração de IRS poderá seleccionar uma opção que permitirá que uma parcela dos seus impostos reverta a favor de uma entidade de utilidade pública ou a uma instituição particular de solidariedade social. Tudo com uma vantagem adicional: não tem qualquer custo para si, nem afectará o valor do reembolso que receberá. Assim quem estiver interessado, poderá doar 0,5% do seu IRS a uma das entidades que fazem parte da lista de instituições reconhecidas pelas Finanças para este efeito. Poderá consultar a lista de entidades no portal das finanças.

Esta lista é actualizada todos os anos e abrange perto de mil instituições. Lá estão algumas das instituições mais conhecidas como a AMI, a Caritas, a Santa Casa da Misericórdia ou o Banco Alimentar contra a Fome. Mas também estão outras instituições menos conhecidas, a quem a sua doação poderá fazer alguma diferença.

Antes de escolher a entidade faça uma pesquisa prévia sobre a actividade das instituições para tentar perceber como o dinheiro é aplicado. Seleccionada a identidade, basta indicar o NIPC (número de identificação de pessoa colectiva) da instituição a quem deseja fazer a consignação de imposto. Para realizar esta operação terá de preencher o quadro 9 do anexo H da sua declaração de rendimentos.

fonter:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 18:31 | comentar | favorito