Passos a meio da tabela dos rendimentos declarados pelos actuais ministros

O primeiro-ministro declarou 122 mil euros de rendimentos ao Tribunal Constitucional em 2010. Paulo Macedo declarou 846 mil euros.

Passos Coelho declarou, no ano passado, 119 mil euros de rendimentos de trabalho dependente e três mil euros em rendimentos prediais, assim como dois apartamentos em Massamá, no concelho de Sintra, como património imobiliário.

 

O chefe de Governo é ainda detentor de um automóvel Opel Corsa e declara ter contraído dois empréstimos para compra de habitação. Nos cargos exercidos por Passos Coelho no ano passado, além de presidente do PSD, constam o de administrador de três empresas do grupo Fomentinvest, das empresas TejoAmbiente, RibTejo, HLC Tejo, Lusofuel e MC02.

 

De acordo com a lei, "os titulares de cargos políticos e equiparados e os titulares de altos cargos públicos apresentam no Tribunal Constitucional, no prazo de 60 dias contado da data de início do exercício das respectivas funções, a declaração dos seus rendimentos, bem como do seu património e cargos sociais".

 

O ex-primeiro-ministro, José Sócrates, que renunciou ao seu mandato como deputado mas está abrangido pela lei, declarou no último ano como líder do Executivo 104 mil euros em trabalho dependente, um apartamento na rua Brancaamp, em Lisboa, um automóvel Mercedes SL e acções do Benfica no valor de 2.500 euros.

 

O ministro que mais rendimentos declarou foi o titular da pasta da Saúde, Paulo Macedo, com 846 mil euros, seguido do ministro da Defesa, Aguiar-Branco, com 423 mil euros, e da ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, com 414 mil euros declarados.

 

Para aceitar o lugar de ministro da Saúde, Paulo Macedo renunciou a cargos em quase uma dezena de empresas, sendo até Junho passado vice-presidente do conselho de administração do Banco Comercial Português, vice-presidente do conselho de administração da Fundação Millenium BCP, vice-presidente do conselho de administração da Medis, e vice-presidente do conselho de administração da Companhia Portuguesa de Seguros Vida Ocidental.

 

Entre todos os ministros, Paulo Portas, ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, foi quem declarou o valor mais reduzido de rendimentos, 51 mil euros. O líder do CDS-PP conduz um automóvel Volskwagen touareg e tem no banco 159 mil euros numa conta solidária.

 

Imediatamente antes de Portas, entre os três ministros que menos rendimentos declararam, está o ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, com 58 mil euros de rendimentos, e o ministro da Segurança Social, Pedro Mota Soares, com 67 mil euros. Miguel Macedo tem dois automóveis BMW e um Jaguar XF, enquanto Mota Soares declarou a sua lambreta Vespa.

 

O ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, declarou 229 mil euros, o que o coloca em quarto lugar na lista dos rendimentos declarados, seguido pelo ministro da Educação, Nuno Crato, com 194 mil euros e o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, com 160 mil euros.

 

A ministra da Agricultura, Assunção Cristas, declarou 98 mil euros, e o ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, 95 mil euros.O prazo para a entrega das declarações de rendimentos dos secretários de Estado ainda não terminou, dado que tomaram posse mais tarde, mas os secretários de Estado na dependência do primeiro-ministro, já o fizeram.

 

O secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro Carlos Moedas declarou 119 mil euros de rendimentos, dispondo de perto de 300 mil euros em carteiras de títulos, acções e fundos de investimento, e cerca de 76 mil euros em contas à ordem.

 

Carlos Moedas era administrador da Shilling Capital Partners e da Winworld e presidente do conselho de administração da Crimson Investment Managment, cargos que abandonou para ir para o Governo, encontrando-se ainda em "processo de alienação de todas as participações que tem naquelas empresas", num valor total de cerca de 75 mil euros.

 

O secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, que conduz um Peugeot 207, recebeu rendimentos no valor de 189 mil euros, e o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Marques Guedes, declarou 58 mil euros em trabalho dependente.

fonte:http://economico.sapo.pt/

 

publicado por adm às 20:45 | comentar | favorito