Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Noticias do momento

Noticias do momento

30
Mar12

Crise: rendimentos encolhem 1% e impostos disparam 10%

adm

A taxa de poupança das famílias portuguesas caiu em 2011, dos 10,2 para os 9,7% do rendimento disponível (após pagamento de impostos e juros), revelam dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgados esta sexta-feira.

Esta diminuição tem subjacente uma redução de 1% do rendimento disponível em 2011, «parcialmente compensada pelo decréscimo de 0,4% da despesa de consumo final».

Segundo o INE, a redução do rendimento disponível fica a dever-se não só às menores remunerações, mas também aos impostos sobre o rendimento. «As remunerações recebidas pelas famílias diminuíram 1,2% em 2011 e os impostos sobre o rendimento aumentaram 10%», revela o instituto.

O consumo final das famílias manteve a tendência decrescente, com uma queda de 0,8%, refletindo a diminuição do rendimento disponível de 0,9%. A evolução observada do rendimento disponível em 2011 foi determinada pela diminuição das remunerações (variação de -0,6%), pelo aumento dos impostos sobre o rendimento (variação de 7,3%) e pela diminuição do excedente bruto de exploração (variação de -1,2%). 

O saldo dos rendimentos de propriedade das Famílias manteve-se positivo e aumentou 0,3%.

Portugueses pagaram mais 1.900 milhões em impostos

De acordo com os dados do INE, no ano passado, o Estado arrecadou mais 1,9 mil milhões de euros em receitas fiscais, apesar da recessão económica, basicamente devido ao maior encaixe com impostos sobre o rendimento e o património.

Durante 2011 foram vários os impostos que voltaram a subir, mas os impostos sobre o rendimento das pessoas singulares foram especialmente afetados devido à sobretaxa extraordinária sobre metade do subsídio de Natal de todos os trabalhadores e pensionistas que tinham vencimentos acima do salário minimio nacional.

O corte nas prestações sociais permitiu que, em ano de crise e de aumento do desemprego, a despesa do Estado com este item tivesse aumentado apenas 14,6 milhões de euros.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/e

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D