Descubra as casas mais baratas de Lisboa e Porto

Se anda à procura de casa para morar, quer seja para comprar ou para arrendar em Lisboa ou no Porto, convém saber quais os preços praticados nestas duas cidades. Talvez seja importante descobrir as zonas onde pode encontrar os valores mais baixos. Na capital, os preços mais acessíveis para uma casa são encontrados nas zonas do Beato, Marvila, Penha de França, São Cristóvão e São Lourenço, Charneca e São João. Já na Invicta, estão nas zonas de Santo Ildefonso, Campanhã, Bonfim e Vitória.

De acordo com os dados do Confidencial Imobiliário/LardoceLar.com, a zona mais barata de Lisboa é a Charneca, com um valor médio de 1.808 euros€/m2, seguida de Marvila com 1.855 €/m2. São Cristóvão e São Lourenço destacam-se, com valores de 1.872€/m2. São João e Beato também apresentam valores abaixo dos 2.000 €/m2.

No Porto as zonas mais baratas são Santo Ildefonso, Bonfim, Campanhã e Vitória, com valores que vão dos 1.422 aos 1.442 euros€/m2.

Relativamente ao arrendamento, tendo como base os imóveis residenciais disponibilizados no portal imobiliário da APEMIP (Associação dos Profissionais das Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal), www.casayes.pt, verifica-se que o valor médio das rendas situa-se nos 780 euros, em Lisboa. No Porto, os valores médios mais baixos encontram-se em zonas como Santo Ildefonso, 500 euros; Bonfim, 610; e Campanhã 680.

 

Casas mais baratas mas menos atractivas

Apesar destes preços serem mais acessíveis, não corresponde a uma maior procura. Segundo Luis Lima, presidente da APEMIP, as rendas mais baixas estão, por norma, relacionadas com localizações que não são preferenciais, e como tal não englobam as características necessárias à captação de moradores. «Ainda assim, creio que vamos começar a registar uma procura cada vez menos agressiva em zonas mais caras devido à conjuntura económica que hoje ultrapassamos, e que se reflecte nas economias domésticas», salienta. Para o responsável, a melhor forma de tornar estas zonas mais atractivas é dotá-las de infraestruturas de interesse para potenciais moradores/investidores.

Apesar desta realidade, Miguel Poisson, director geral da ERA Portugal, refere que actualmente muitas pessoas voltaram a investir os seus rendimentos no imobiliário. Reconhece que tem existido muita procura, principalmente nos centros, mas também nas periferias das cidades, onde os preços caíram muito. Também têm surgido pequenos investidores a apostarem no imobiliário.

«Algumas pessoas estão a antecipar a mudança da lei do arrendamento e compram casas para remodelar e depois arrendar, estamos a assistir ao retorno do pequeno investidor». O responsável da ERA assegura ainda que a compra mantém a liderança, com 75% de quota, ficando o arrendamento nos 25%.

Miguel Poisson também acredita no mercado da reabilitação urbana. «Existem mais de 700 mil casas desocupadas em Portugal. Como potencial de negócio, representa 20 mil milhões de euros, 15% do PIB nacional», destaca.

 

'Pechinchas' também são realidade

Relativamente ao mercado de Lisboa, o director da ERA Portugal, refere que apesar de existirem zonas com preços mais baratos, também se encontram casas com preços acessíveis em zonas como Campolide, onde as habitações usadas podem ter um preço de 1.800 euros€/m2. Também no Lumiar se encontram casas com valores entre os 1.600 e os 2.000 euros€/m2.

Apesar dos números apontados, Luís Lima reconhece que o valor dos imóveis depende de diversos factores, tais como a localização, acessos, rede de transportes, eficiência energética, segurança e infra-estruturas na área envolvente.

Entre o preço mais acessível, as condições que o imóvel apresenta e a localização, o mais importante é procurar muito bem para conseguir encontrar a casa que corresponda na perfeição aos seus desejos.

fonte:http://sol.sapo.pt/

publicado por adm às 23:08 | comentar | favorito