Galp: trabalhadores juntam-se à greve de 5ª feira

Os trabalhadores da refinaria da Galp em Matosinhos aprovaram esta segunda-feira em plenário uma moção de repúdio à proposta da administração de aumentos salariais de um por cento e aceitaram juntar-se à greve de quinta-feira.

A decisão tomada foi «uma continuação do plenário de Sines», que teve lugar na refinaria do Alentejo na passada sexta-feira, repudiando a proposta da administração e aceitando, no caso de Matosinhos, aderir à greve convocada pela CGTP, segundo explicou o coordenador da Comissão de Trabalhadores (CT), Hélder Guerreiro, à Lusa.

«É o fio condutor. Estamos a tentar unir toda a empresa e todos os trabalhadores da empresa aqui no Norte, onde há um crescente de mobilização», disse Hélder Guerreiro.

O responsável da CT acredita que a adesão à greve na refinaria de Matosinhos vai ser significativa, numa altura em que é «uma evidência» o descontentamento dos trabalhadores, que estão a «sentir a crise».

Os trabalhadores da Galp Energia reuniram-se num plenário em Sines, onde aprovaram, por unanimidade, uma moção na qual repudiaram o aumento salarial de um por cento proposto pela administração e admitiram aderir à greve geral.

O lucro ajustado da Galp Energia caiu 18 por cento em 2011, para 251 milhões de euros, devido à quebra nas margens de refinação, no processamento de crude e na venda de produtos petrolíferos, anunciou em fevereiro a petrolífera nacional.

Os trabalhadores queixam-se de estar há dois anos consecutivos a perder poder de compra, exigindo «aumentos que garantam ganhos salariais reais, tendo em conta a boa situação económica e financeira da empresa».

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 22:48 | comentar | favorito