Zara Portugal acusada de «intimidar para reduzir horários e salários»

O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) acusou esta quinta-feira a Zara Portugal de «intimidar» os trabalhadores de três lojas do Porto a aceitarem reduções nos salários usando como «expediente» a diminuição da carga horária.

Em comunicado, o CESP afirma que, «num clima de intimidação e com ameaças de despedimento», foi proposto aos trabalhadores das lojas de Santa Catarina, Gaia Shopping e Dolce Vita «que solicitassem à empresa, por escrito, a redução dos horários de 40 horas para 35 horas e dos part time de 25 horas para 20 horas, com a correspondente redução de salários».

Argumentando que o grupo Zara «tem apresentado lucros altíssimos nos vários exercícios ao longo dos anos e, ainda recentemente, adquiriu a Massimo Dutti por mais de 100 milhões de euros», o sindicato acusa-o de estar a «aproveitar-se da crise que atravessa o país para reduzir os custos com pessoal».

Para o CESP, a Zara estará ainda a «preparar a estratégia de, quando sair a nova legislação, poder despedir mais barato os trabalhadores mais antigos e, assim, mandar para o desemprego mais umas largas dezenas de trabalhadores». 

Neste âmbito, o sindicato garante que irá «exigir» a intervenção do ministro da Economia e do Emprego e da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), «dado que a maioria dos trabalhadores foi coagida a assinar a carta a solicitar a redução dos seus horários e salários, com a qual não estão de acordo».

A agência Lusa contactou a Zara Portugal, mas, até ao momento, não foi possível obter um comentário.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 22:35 | favorito