Número de inscritos nos centros de emprego sobe 14,4%

O número de inscritos nos centros de emprego em Portugal subiu 14,4 por cento em Janeiro para 637.662, representando 85,4 por cento de um total de 746.546 pedidos de emprego, divulgou esta quinta-feira o IEFP.

De acordo com o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), o número de desempregados inscritos nos centros de emprego aumentou 14,4 por cento relativamente ao mês homólogo de 2011, e 5,4 por cento face ao mês anterior, «acentuando-se a tendência de aumento do desemprego que se tem feito sentir no decorrer dos últimos meses».

Estas percentagens mostram, segundo o IEFP, em números absolutos, acréscimos de 80.418 e de 32.528 desempregados, respectivamente, e surgem no dia em que o Instituto Nacional de Estatística revelou que a taxa de desemprego disparou no quarto trimestre para os 14 por cento, face aos 12,4 por cento observados no trimestre anterior, com o número de desempregados a ultrapassar os 770 mil.

Numa análise por géneros, o acréscimo dos inscritos nos centros de emprego, comparativamente a Janeiro de 2011, afectou ambos os sexos (homens e mulheres), penalizando mais os homens (mais 18,7por cento) do que as mulheres (mais 10,7 por cento).

Por grupo etário, os jovens foram os que mais se ressentiram com o aumento do desemprego, com uma subida de 19,1 por cento face ao mesmo mês do ano anterior, correspondendo aos adultos um acréscimo de 13,8 por cento.

Comparando o tempo de inscrição em termos homólogos, o aumento do número de pedidos verificou-se, essencialmente, nos inscritos há menos de um ano (mais 23,8 por cento), enquanto os desempregados de longa duração se apresentavam com uma variação de mais 1,6 por cento.

O IEFP sublinha que «o aumento do volume de inscrições nos últimos meses, permitiu, assim, acentuar o peso relativo do desemprego de curta duração, que neste mês se situou em 62,6 por cento do total, contra 37,4 por cento de desemprego de longa duração».

De salientar igualmente que a procura de um novo emprego, situação que justificou o registo de 92,5 por cento dos desempregados, teve um aumento de 14,3 por cento face ao mês homólogo de 2011, enquanto a procura de primeiro emprego aumentava 15,6 por cento.

O número de inscritos nos centros de emprego foi divulgado no mesmo dia em que o Instituto Nacional de Estatística (INE) revelou a taxa de desemprego do último trimestre de 2011, nos 14 por cento, tendo subido, em termos trimestrais, 1,6 pontos percentuais, o que faz com que Portugal tenha fechado o ano de 2011 com uma taxa média anual de 12,7 por cento.

Os números do INE são calculados por amostra através de um inquérito, e representam a taxa oficial de desemprego em Portugal, ao passo que os números do IEFP contabilizam o número de pessoas registadas nos centros de emprego.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 23:02 | comentar | favorito